terça-feira, 22 de dezembro de 2009

No dia 21/12/2009 O conferencista Marcelo Melo esteve na Igreja Evangélica Pentecostal no Bairro Loteamento em Barra Mansa RJ.

A Igreja está sobre a direção da missionária Regina, e o culto foi tremendo e repleto da revelação de Deus atravéz da ministração da Palavra de Deus, veja algumas fotos abaixo:

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

O Servo que não serve, não serve!


Certa vez li um livro chamado “O Último Degrau da Liderança” e ao caminhar pelas páginas deste livro me deparei com esta frase : “O servo que não serve, não serve!”, no começo pensei que eram apenas um jogo de palavras mas não eram bem assim. Estava diante de mim uma exortação, um exemplo e uma expressão de Deus quanto a sua vontade para a minha vida e para todos aqueles que se submetem ao seu senhorio, ou seja, SERVIR.
Serviço está implícito na criação, na atuação dos patriarcas, profetas, na vida de grandes líderes e reis da história bíblica, no ministério de Jesus e conseqüentemente no chamamento dos discípulos, e isto não se faz diferente nestes dias e na igreja de hoje. Toda igreja foi comissionada para o serviço no Reino, e servos são convocados todos os dias para o trabalho, porém, existem servos que não cumprem bem o seu trabalho, são inúteis, mesquinhos, preguiçosos, vivem na linha da mediocridade, conformados com o que tem feito e recebido, sabendo que podem ir muito mais além. Estes, não podem com este tipo de coração servir para o Senhor da obra, pois não SERVEM.A palavra de Deus faz menção a um dia em que o Senhor separará os servos que servem e os que não servem, e será neste momento que a Igreja de Jesus, a sua noiva, será revelada e identificada de forma singular. Ele dirá: “vocês foram servos que serviram portanto Vinde benditos de meu Pai, possui por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Porque tive fome e deste-me de comer, tive sede e deste-me de beber, era forasteiro e hospedaste-me... (Mt.25.34-35).Como servo de Deus anseio em ouvir estas palavras que determinará a minha eternidade, (A SUA TAMBÉM!) mas sei que para isto devo vestir o comissionamento de Jesus (IDE), trabalhar na seara de poucos trabalhadores e ser servo bom e fiel... Jesus é a minha inspiração quanto ao serviço, pois o mesmo disse que não veio para ser servido mas para servir, e dá a sua vida em resgate a muitos. Ele desceu o último degrau da liderança e do serviço quando lavou os pés de seus discípulos, inclusive o que lhe trairia. Os quais quando esperavam um Rei com toda majestade, aparece diante deles um servo com bacia e toalha nas mãos, simbolizando assim o que ele esperava de nós como seus seguidores. Servos que servem, é o que o Senhor deseja de nós. Chega de sermos cristãos que querem apenas receber as bençãos do Evangelho sem ao menos se comprometer com o Senhor do Evangelho e, se comprometer com este Senhor implica em pegar a toalha, a bacia e servir...pois para ele “o servo que não serve, não serve!”.

sábado, 5 de dezembro de 2009

O VERDADEIRO NATAL.
















Tempo de paz, amor, fraternidade!
Inspira a reflexão:
Qual o verdadeiro sentido do natal?
Natal é nascimento!
É vida!
É Deus descendo à terra,
Vindo ao encontro do homem,
Como predito pelo Profeta:
“O seu nome será Emmanuel,
Que quer dizer: Deus conosco”!
E de fato em Belém da Judéia
Nasceu o Menino-Deus!
Ele veio ao encontro da humanidade…
Mas não houve lugar para ele na hospedaria;
Ele teve por berço a manjedoura!
E hoje, onde Jesus nascerá?
Ele procura um lugar…
Como diz a Sua Palavra:
“Eis que estou à porta e bato;
se alguém ouvir a minha voz,
e abrir a porta,
entrarei em sua casa,
cearei com Ele e Ele comigo”!
Esta porta na qual Ele bate
é a porta do seu coração…
você deve abrir a porta
e convidar Jesus a entrar,
oferecer hospedagem!
Seja esta a sua decisão,
e você descobrirá o verdadeiro sentido do natal!
sorrirá e então cantará
com grande vibração:
“Noite de paz, noite de amor…”
“Nasce Jesus, fonte de Luz…”
“Glória a Deus nas alturas”!
———
Abra o seu coração para Jesus e experimente o verdadeiro natal!

domingo, 29 de novembro de 2009

No Vale da Decisão!


Texto base: Joel 3.14: Multidões, multidões no vale da decisão !Porque o dia do Senhor está perto no vale da decisão.


A palavra do Senhor aqui no livro do profeta Joel nos remete a entender que na vida do crente há vale; Vale na vida do cristão fala de adversidade, fala de provação, fala de desilusão e também de decepção.

Esse é período em que você pensa que é mas não é; esse é o período em que você pensa que tem mas não tem, você deve estar se perguntando o quê? È amizade verdadeira, cumplicidade companheira, é quando você pensa que está rodeado por amigos e derrepenta descobre que está só. E neste momento que você se encontra em um ''vale'', mas eu quero lhe dizer que esse vale não para derrota, não é para tristeza, não é para sofrimento e sim para a gloria de Deus na sua vida!!!

Esse vale é para que você tome uma decisão de vencer , tome a decisão de lutar e de continuar a caminhada que é longa .

Nunca pare de lutar e perseguir o seu sonho; afinal lutar sempre, desistir nunca e parar jamais!

Deus usa o vale para te aperfeiçoar, para te trazer para mais proximo dele, como disse o apóstolo Paulo: A nossa leve e momentania tribulação produz em nós um peso de glória mui exelente, não atentando nós para as coisas que se veem, mas para as que se não veem, porque as que se veem são temporais mas as que se não veem são eternas.

Amado não troque o que é eterno pelo que é temporal, o que verdadeiro pelo que é falso, o que santo pelo que é profano, saiba valorizar o que realmente tem valor na vida e é no vale que aprendemos a dar valor na comunhão com Deus, na família que sempre está ao seu lado na sua Igreja que está sempre entercedendo por você, que Deus abençõe a sua vida grandiosamente.

No dia 29/11/2009, o conferencista Marcelo Melo esteve pregando na Igreja Congregacional da Cotiara em Barra Mansa RJ. Foi um culto glorioso!

Neste culto Deus deu uma palavra impactante ao conferencista Marcelo Melo para os jovens, houve curas, libertação e milagres além do derramamento do Espírito Santo sobre a Igreja.

O tema da festividade foi: EU TENHO UM CHAMDO! O EVANGELHO ANUNCIAR! e foi o que aconteceu Deus renovou e fortaleceu o chamado dos Jovens, veja algumas fotos abaixo:













segunda-feira, 23 de novembro de 2009

No dia 19/11/2009 o conferencista Marcelo Melo esteve na Catedral das Assembléias de Deus do ministério do Sul Fluminense da cidade de Angra dos Reis.

Neste culto Deus falou com os Jovens da cidade de Angra de uma forma muito especial, foi uma noite repleta da unção de Deus.
Também estava neste culto a galera de Deus ( André e Banda), que mais uma vez marcaram presença, também estavam nesta culto o ministério de louvor da (ADSFAG).
Veja as fotos do culto abaixo:

















terça-feira, 10 de novembro de 2009

Teste seu cerebro!



Se você conseguir ler as primeiras palavras o cérebro decifrará automaticamente as outras…

3M D14 D3 V3R40, 3574V4 N4 PR414, 0853RV4ND0 DU45 CR14NC45 8R1NC4ND0 N4 4R314. 3L45 7R484LH4V4M MU170 C0N57RU1ND0 UM C4573L0 D3 4R314, C0M 70RR35, P4554R3L45 3 P4554G3NS 1N73RN45. QU4ND0 3575V4M QU453 4C484ND0, V310 UM4 0ND4 3 D357RU1U 7UD0, R3DU21ND0 0 C4573L0 4 UM M0N73 D3 4R314 3 35PUM4.
4CH31 QU3, D3P015 D3 74N70 35F0RC0 3 CU1D4D0, 45 CR14NC45 C41R14M N0 CH0R0, C0RR3R4M P3L4 PR414, FUG1ND0 D4 4GU4, R1ND0 D3 M405 D4D45 3 C0M3C4R4M 4 C0N57RU1R 0U7R0 C4573L0. C0MPR33ND1 QU3 H4V14 4PR3ND1D0 UM4 GR4ND3 L1C40; G4574M05 MU170 73MP0 D4 N0554 V1D4 C0N57RU1ND0 4LGUM4 C0154 3 M415 C3D0 0U M415 74RD3, UM4 0ND4 P0D3R4 V1R 3 D357RU1R 7UD0 0 QU3 L3V4M05 74N70 73MP0 P4R4 C0N57RU1R. M45 QU4ND0 1550 4C0N73C3R 50M3N73 4QU3L3 QU3 73M 45 M405 D3 4LGU3M P4R4 53GUR4R, 53R4 C4P42 D3 50RR1R! S0 0 QU3 P3RM4N3C3 3 4 4M124D3, 0 4M0R 3 C4R1NH0.
0 R3570 3 F3170 D3 4R314

domingo, 20 de setembro de 2009

Conferencista Marcelo Melo e a Cantora Marcela também estavam em Angra na Assembléia de Deus!


Foi uma Benção, Marcela Deus te abençõe continue sendo este vaso na mão do oleiro!
Shalom!!!

Conferencista Marcelo Melo e André e Banda, se encontraram mais uma vez, desta vez foi em Angra na Assembléia de Deus .


Para mim é um prazer ter amigos como André e Banda, um grupo de verdadeiros adoradores que adoram ao Pai em Espírito e em Verdade! Continuem assim, porque Deus ainda tem muito mais para fazer através deste ministério, que Deus vos abençõe e espero encontralos outras vezes por aí...





Conferencista Marcelo Melo e o Pr. João da Cruz da Assembléia de Deus Sul Fluminense da Japuíba.


Conferencista Marcelo ministrando na Igreja Assembléia de Deus ( Ministério Sul Fluminense) em Angra dos Reis RJ.




quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Deus está no controle!

Texto Base: Jó 42. 2-6: Bem sei que tudo podes e nenhum dos seus pensamentos podem ser impedidos.Quem é aquele, dizes tu,que sem conhecimento encobre o conselho? Por isso falei do que não entendia;coisas que para mim eram maravilhosíssimas, e que eu não compreendia. Escuta-me pois, e eu falarei; eu te perguntei, e tu ensiname. Com o ouvidor dos meus ouvidos ouvi, mas agora te veêm os meus olhos. Por isso me abomino e me errependo no pó e na cinza.


Durante algum tempo de vida cristã, me peguei por diversas vezes me fazendo estas peguntas:
Porque tanta prova?
Porque tanta adversidade?
Porque tanta luta?
Até quando Senhor?
Existem momentos em nossas vidas que parece que o céu está de bronze, parece que agente ora e a oração não passa do teto da sua casa, parece que agente clama e Deus não está nos ouvindo! Há momentos em que Deus parece estar de férieas ou melhor em silêncio!
Nestes momentos tudo na nossa vida vira incertezas e você não sabe aonde está.
Se está em uma cova, ou se está em um deserto, ou quem sabe em uma fornalha ou até mesmo em um barco e o mar está revolto e parece que você não vai conseguir chegar do outro lado desse mar.
Nestes momentos você se pergunta porque tudo isto, estava tão bom, estava tão tranquilo. É nestes momentos que tudo parece estar errado e que nada vai dar certo, e mesmo que as portas se feche, eu aprendi que DEUS ESTÁ NO CONTROLE !!!!
Querido tudo acontece pela vontade de Deus ou soberana, ou permissiva mas é a vontade de Deus!
Ou seja tudo que acontece em sua vida ou é porque Deus quer que aconteça ou é porque Deus permite que aconteça. E nestes momentos o melhor a fazer não é se descabelar-se, não é abandonar tudo e ir embora, e nem tentar encontrar o culpado e descarregar a culpa no outro!
Cada Crente precisa de uma experiência com Deus, está prova que você está passando pode ser a sua oportunidade de ter a sua própria experiência com Deus e no final desta adversidade que você está passando você vai perceber que ficou mais forte, pois tudo aquilo que não te destroi, te deixa mais forte! A prova pode estar estreita mais é nesta hora que você pode contemplar a provisão de Deus na tua vida.
Querido é maravilhoso provar da provisão de Deus na sua vida, ver Deus trabalhar na sua vida, ver ele abrir o caminho, dar o escape é muito bom!
Deixe Deus tomar o controle da sua vida, permaneça firme e inabalavel na sua fé, ainda que esteja no deserto Deus está no controle, ainda que esteja na fornalha Deus está no controle, ainda que esteja no vale da sombra da morte Deus está no controle!
Saiba que por mais obscuro que pareça a sua vida hoje, eu quero lhe dizer que Deus está no controle.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Formatura dos alunos (CFO) 2009 e do curso de Administração Eclesiástica da Convenção Batista Pentecostal.

No dia 07 de setembro de 2009 foi realizado na Igreja Batista Pentecostal Vale das Bençãos do Goiabal a formatura dos alunos do curso de formação de obreiros de 2009 e dos alunos do curso de Administração Eclesiástica da Convenção Batista Pentecostal.

Veja abaixo algumas fotos:

Irmão Julho recebendo o certifocado do (CFO) das mãos do professor Marcelo .



Irmão Ademir recebendo o certificado do (CFO) das mãos do professor Marcelo.



Irmã Sonia recebendo o certificado das mãos do professor Marcelo.



Irmã Iara recebendo os comprimentos do professor Marcelo.



Conferencista Marcelo Melo fazendo discurso de Agradecimento.



Pr. Ademar Lessa da Silva fazendo discurso de agradecimento.



Turma completa dos alunos do (CFO) 2009 da (IBPVB).



Ministério de louvor da (IBPVB) liderado pelo ministro de louvor Elias.


terça-feira, 25 de agosto de 2009

Tomando a atitude certa!


Texto base: Lc 8. 43-48


Este é texto bíblico que narra ó fato em que a mulher do fluxo de sangue foi curada quando tocou nas vestes de Jesus. Eu gostaria de destacar desta passagem a atitude que ela tomou em sair do seu lugar e atravessar a multidão para tocar nas vestes de Jesus.

'' Sua atitudes hoje, determinam o que você será amanhã'', as nossas vidas são cheias de escolhas. Escolhemos o nome do filho, a escola na qual ele vai estudar, qual roupa usar em cada ocasião, qual o modelo e a marca do carro que vamos comprar, qual a Igreja que vamos frequentar, qual o canal de tv assistir, enfim naossas vidas diárias são repletas de escolhas.
As escolhas são inevitáveis, elas simplesmente aparecem, e o segredo está em fazer a escolha correta.

Escolha correta + escolha correta = realização ; Escolha errada + escolha errada= frustação.
Ou seja, uma vida de relização é o acumulo de escolhas corretas, como um vida de fruatação é o acumulo de escolhas erradas. É necessário tomar a atitude certa na hora certa como a mulher do fluxo de sangue fez, não medindo esforços para tocar nas vestes de Jesus.
homens que tomaram atitudes:
Davi: Tomou atitude de lutar contra o gigante.
Moiséis: Tomou a atitude de levantar o cajado e tocar nas águas.
Abraão: Ouviu e atendeu o chamado de Deus quando disse: Sai da tua terra e do meio da tua parentela e vai para um lugar aonde eu te mostrarei.
Noé: Ouviu a voz de e atendeu ao cahamdo para construir a arca.
Filho pródigo: Quando decidiu voltarme-ei e irei ter com meu Pai.
Zaqueu: Tomou a atitude de subir na figueira brava para ver Jesus passar.

As escolhas estão aí elas surgem a todo tempo, não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje!
Qual é a escolha que você precisa tomar hoje ?
Quem sabe não aceitar a Jesus como o seu único e suficiênte salvador.
Ou quem sabe não é um ato de fé e esforço primário que irá gerar uma benção e uma vitória secundária.
Não deixe a fé dar lugar ao medo e a intimidação, que Deus lhe abençõe!


segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Condições para ser um vencedor


Texto base: Ap 3.21-22 - Ao que vencer lhe concederei que se ascente comigo no meu trono assim como eu venci e me ascentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz as Igrejas.


Deus não criou o homem para andar de cabeça baixa nem para ter vergonha mas sim para andar de cabeça erguida e ter orgulho de ser filho de Deus, até porque um filho tem as características do Pai e assim sendo fomos criados para vencer!!!

Mas ao longo do tempo o homem tem deixado esvair essa essência, mas o Pai já havia arquitetado um plano desde antes da fundação do mundo para resgatar o homem, redirecionando a voltar a ter comunhão com ele. Essa pessoa foi Jesus, ele se despojou da forma divina, e tomou a forma humana e veio aqui na terra para nos ensinar a vencermos e nos ternamos campeões !


O que Jesus venceu ?


  1. A si mesmo: Jesus diante das autoridades em Jerusalém que lhe disseram, não sabes tú que eu tenho poder para para tirar sua vida, para prender e para soltar. Mas Jesus disse: Não ! Eu tenho poder para dar a minha vida e tornar a reave-la, em outras palavras ele estava dizendo, eu vou para o calvário porque eu quero !

  2. O mundo: Jesus disse: No mundo tereis aflições mas tende bom animo eu venci o mundo.

  3. O inferno: Cl. 2.15- E despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e sobre eles triunfou na mesma cruz.

  4. A morte: Certo momento da manhã Maria chegou ao sepúlcro e o anjo lhe disse: Por que procurai entre os mortos ao que vive, ele ressuscitou. Jesus venceu a morte e a morte não tem mais dominio sobre ele, o túmulo não conteve Jesus ele ressuscitou !!

Eu imagino que quando Jesus chegou no céu Deus Pai estava o esperando de braços abertos e disse: Senta aqui no meu trono campeão! Só Jesus poderia prometer que ao que vencer dará o direito de se ascentar no seu trono, por que ele venceu e se ascentou no trono.

Como ser um vencedor


  1. Esperar o tempo de Deus: Nós não devemos nos precipitar em avançar o sinal vermelho, devemos esperar o tempo de Deus. Até porque sabemos que Deus trabalha por aqueles que neles esperam.
Jesus venceu porque nunca passou na frente de Deus ( Bodas de Caná da Galiléia) João 2.4- Jesus responde : Mulher o que tenho eu contigo, ainda não é chegada a minha hora.

Davi foi ungido rei mas não ficou na porta do palácio exigindo que fosse entronado, até oportunidade para matar Saul ele teve, mas Saul pegou uma lança e a cravou no próprio peito e no tempo certo Davi foi coroado rei e escreveu o Salmo '' Esperei com paciência no Senhor no Senhor e ele se inclinou para mim e ouviu o meu clamor ''.

O melhor lugar para se estar nessa vida é no centro da vontade de Deus, quem sabe você tem chorado e gemido nestes últimos dias mas hoje você vai se levantar e dizer: Satanás o tempo de Deus chegou na minha vida, o tempo de cantar chegou!

2. Ser Fiel: Salmo 101.6- Os meus olhos procuram os fiéis da terra, para que estejam comigo; o que anda em um caminho certo este me servirá.

José foi jogado numa cova, vendido pelos seus irmãos e revendido para Potifar, o Diabo pensou José está sepultado mas quando ele menos esperou José foi coroado governador do Egito por que ele foi FIEL!!
Fidelidade Todavia: Hc 3.17- “Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado. Todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação.”

3. PerseverarPerseverar é conservar-se firme, constante. Perseverar é continuar, seguir em frente. Deus nos convidou a perseverar. Esse convite inclui perseverar em cumprir os Seus mandamentos (1 Crônicas 28:7), perseverar na oração (Atos 1:14) e na convivência (Atos 2:46) como os irmãos da igreja primitiva, perseverar na gratidão a Ele (Colossenses 4:2) e perseverar na fé como Calebe (Números 14:24).

4.Viver na Unção do Espírito Santo:Jesus quando chegou na sinagoga em nasaré e leu : O Espírito do Senhor é sobre mim pois me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para por em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor.

sábado, 8 de agosto de 2009

Os 7 Mergulhos de Naamã.


Texto base: 2 Reis 5.1,9-14.


Naamã era chefe do exército do rei da Síria, era um grande homem diante do seu senhor e de muito respeito; porque por ele o Senhor dera livramento aos siros; e era este varão homem valoroso. Estes são alguns dos atributos que a bíblia diz do General Naamã.
Ele era conhecido pelo seu povo e por todos que ouviam falar da sua fama como um grande estrategista militar, como um grande guerreiro, um grande homem, a quem até o rei o adimirava pela coragem, determinação e suas conquistas.
Mas a bíblia continua dizendo que Naamã era um grande homem, de respeito, valoroso, porém leproso.

A lepra é uma doença caracterizada pela brancura, inchasos e tumores que desfiguram a pele. No antigo testamento os leprosos eram obrigados a morar longe das pessoas, e quando se aproximassem delas, deveria gritar: Imundo, imundo !!! Para alertar a respeito da sua anomalia física.
As pessoas que contraisem a lepra era consideradas imundas, amaudiçoadas, e por consequência viviam solitários e a margem da sociedade da época.
Naamã vivia dois extremos na sua vida, um era o seu aspecto exterior no convivio da sociedade (um grande general) e o outro era o aspecto no interior da sua casa ( um leproso).
E Naamã viveu por algum tempo este dilema, até que um dia a menina de Israel que trabalhava na sua casa lhe falou sobre o profeta Eliseu e da possibilidade de se tornar limpo da lepra.
Naamã mais do que depressa toma todas as atitudes necessárias para ir até o profeta Elizeu. Chegando lá o profeta nem o recebe, apenas manda recado para que ele se lave 7 vezes no rio Jordão.

1- Mergulho da Humildade: Pelo fato de ser da alta patente no exército Naamã se achava grande, pelas sua grandes conquistas ele se ensoberbeceu.
Quando chegou até Elizeu pessou que iria ser recebido como um grande General cheio de recomendaçõe, quando na realidade o profeta nem o recebe, apenas manda um recado, vai se lavar no Jordão.
A palavra Jordão significa, aquele que desce, em outras palavras Elias estava dizendo a Naamã, você esta muito soberbo vai se humilhar primeiro!!!
Para entar no jordão e tomar banho é necessario tirar a farda, tirar as medalhas, tirar a capa e expor a lepra.
Dessa mesma maneira muitas das vezes é necessário nos despirmos do nosso rótulo, deixar de lado os nossos títulos e condecorações e chegarmos diante de Deus com humildade e sem estampa, apenas como somos de verdede.

2- Mergulho da Obediência: Naamã pensou que iria ser curado de uma forma, mas Deus quis curá-lo de outra. Por isso ele precisava obedecer a voz do profeta e continuar a se lavar no rio.
Quantas das vezes nós queremos receber algo de Deus, mas do nosso jeito, meu amado irmão Deus age do jeito que Ele quer, quando Ele quer e como Ele quer.
Precisamos aceitar a maneira de Deus agir e obedecer, do contrario não conseguiremos alcansar a vitória.
3- Mergulho da Contribuição: Naamã precisava contribuir com o seu milagre, ele estava debaixo de uma palavra agora ele precesava contribuir.
Existem muitos crentes hoje que não contribuem para o seu milagre. Ficam esperando tudo, fica esperando cair do céu, vê o mar fica esperando o mar se abrir, vê uma muralha fica esperando a muralha cair, vê um gigante fica esperando o gigante cair, e le fica esperando, esperando ,esperando... Jesus vai voltar e ele fica esperando...
Você precisa se levanter e ir a luta, contribuir com o seu milagre!!!
Existem pessoas que gostam de explorar a fé dos outros, e dizem Pastor ora pra mim! Mas não lê bíblia, não faz um jejum, não consagra a vida, não ora, não dá nenhum glória a Deus !!! E quer receber, o salmista certa vez disse: Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei!!! tem que contribuir, tem que buscar se não não alcança.

4- Mergulho da Perseverança: Naamã já havia dado três mergulhos e nada havia acontecido, agora ele precisava perceverar e continuar a mergulhar como o profeta havia dito.
Quantos de nós comçamos algo e não terminamos:
Começamos uma campanha e não terminamos, começamos um curso e não terminamos, começamos um projeto e terminamos, começamos um namoro e não vamos até o fim, acabamos deixando tudo pela metade e não concluímos nada.
A bíblia diz em Salmos 126.6- Aquele que segue andando e chorando concerteza trará consigo os seus molhos.
Temos que seguir até o fim para conquistarmos porque a bíblia diz em Eclesiastes 7.8-Melhor é o fim das coisas do que o princípio delas.

5- Mergulho da fé: Agora ele já havia dado 4 mergulhos, e nada ainda havia acontecido, a lepra ainda estava lá, os seus soldados estavam todos olhando Naamã despido se lavando no rio e nada ainda havia acontecido. É neste momento que aqueles que estão ao seu redor começam a dizer que você está perdendo temo na igreja, que nada vai acontecer, e que você não vai conseguir. Mas é neste momento também que você precisa ter fé e acreditar no seu milagre.

Em hebreu 11.13- A bíblia diz que os pais da fé eles viam as promessas de longe creram e abraçaram as promessas. Nestes momentos de indecisão nós precisamos ter fé e abraçar a nossa promessa.


6-Mergulho do Entusiasmo: A palavra entusiasmo no original quer dizer ''Deus dentro do homem", é a força que se precisa ter na reta final da sua trajetória ao milagre.


7- Mergulho da Vitória: Esse é o mergulho da conquista, da realização, esse é o mergulho que quando você levanta está totalmente curado e todos estão ao seu redor espantados com o milagre de Deus na sua vida, e então eles tem que declarar que só o Senhor é Deus!

Meu querido tenha humildade, obediência, contribua,busque, tenha perseverança, fé, entusiasmo e alcance a sua vitória em o nome de Jesus!

Que Deus lhe abençõe!

Salvação




O tema central do evangelho de Cristo é a Salvação. A salvação é uma figura de linguagem de ampla aplicação que expressa a idéia de resgate da perdição e da miséria para um estado da segurança. O evangellho proclama que o mesmo Deus, que salvou Israel de Egito, Jonas da barriga do peixe, o salmista da morte, e os soldados de naufragar (Exodos 15:2; Jonas 2:9; Salmos 116:6; Atos 27:31), é o Deus que salva do pecado e das consequências do pecado para todo aquele que confiar em Cristo. Assim como estes livramentos foram feitos exclusivamente por Deus, e não são exemplos de pessoas salvando-se a si mesmas com a ajuda de Deus, assim é a salvação do pecado e da morte. “Pois pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus.” (Efésios 2:8). “A salvação vem de Deus, o SENHOR!” (Jonas 2:9).

Do que os crentes são salvos? São salvos da ira de Deus, do domínio do pecado, e do poder da morte (Romanos 1:18; 3:9; 5:21); de sua condição natural de ser dominado pelo mundo, pela carne, e pelo diabo (João 8:23-24; Romanos. 8:7-8; 1 João 5:19); dos medos que uma vida pecadora gera (Romanos 8:15; 2 Timóteo 1:7; Hebreus 2:14-15), e de muitos hábitos e vícios que fazem parte da vida (Efésios 4:17-24; 1 Ts. 4:3-8; Tito 2:11 –3:6).

Como os crentes são salvos destas coisas? Através de Cristo, e em Cristo. O Pai é tão interessado em exaltar o Filho como Ele é em resgatar o perdido (João 5:19-23; Filipenses. 2:9-11; Colossenses 1:15-18; Hebreus 1:4-14). É fato dizer que os eleitos foram escolhidos para Cristo, o Filho Amado, assim como Cristo foi escolhido para os eleitos amados (Mateus 3:17; 17:5; Colossenses 1:13; 3:12; 1 Pedro 1:20; 1 João 4:9-10).

Nossa salvação envolve primeiro, a morte de Cristo por nós, segundo, Cristo vivendo em nós (João 15:4; 17:26; Colossenses 1:27) e nós vivendo em Cristo, unidos com Ele em Sua morte e ressureição (Romanos 6:3-10; Colossenses 2:12, 20; 3:1). Esta união vital, que é sustentada pelo Espírito, do lado divino, e pela fé, do nosso lado, é formada através do nosso novo nascimento, e pressupõe uma aliança no sentido de nossa eleição eterna em Cristo (Efésios 1:4-6). Jesus foi designado antes da fundação do mundo para ser nosso representando carregando os nossos pecados sobre seus ombros (1 Pedro 1:18-20; cf. Mateus 1:21), e nós fomos escolhidos para ser efetivamente chamados, conforme a Sua imagem, e glorificado pelo poder do Espírito (Romanos 8:11, 29-30).

Os crentes são salvos do pecado e da morte, mas para que ele são salvos? Para viver eternamente o amor de Deus — Pai, Filho, e Espírito. A fonte de amor para com Deus vem da redenção do amor de Deus por nós, e a evidência deste amor para com Deus é amor ao próximo (1 João 4:19-21). A finalidade de Deus, agora e daqui por diante, é continuar expressando seu amor em Cristo conosco, e nosso objetivo deve ser continuar expressando nosso amor às três Pessoas de Deus, adorando-O e servindo-o em Cristo. Uma vida de amor e de adoração é a nossa esperança da glória, nossa salvação presente, e nossa felicidade para sempre. Este artigo foi extraído do Concise Theology: A Guide to Historic Christian Beliefs by J. I. Packer.

Salvação

Criação X Evolução

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Vencendo Crises na família



Texto base – João 16.33


Introdução: A família tem sido alvo de grandes crises nestes últimos dias, crises que tem levado muitas vezes as desespero, derrota e fracassos. Mais é possível vencer as crises na família no nome precioso de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

1. Uma definição da palavra crise
Segundo o dicionário crise significa: um momento decisivo, uma alteração repentina no curso de algo, etc., a palavra crise segundo John Kennedy em discurso pronunciado em 12/04/1959, quando escrita no idioma chinês se compõe de dois vocábulos: um significa perigo e outro oportunidade. Devemos entender então que quando passamos por crises, corremos o perigo de fracassarmos, de esfriarmos na fé, mais temos também a excelente oportunidade se sermos verdadeiros campeões na fé.

2. Diferentes tipos de crises
2.1. crise financeira;
2.2. crise espiritual;
2.3. crise de decisão
2.4. crise conjugal
2.5. crise familiar
3. Quem são os fazedores de crises
3.1. O diabo;
3.2. os invejosos;
3.3. os murmuradores;
3.4. os traidores;
3.5. os cegos espirituais.

4. Vidas sem crises
Se você nunca experimentar crises em sua vida, saiba que sua vida será uma vida:
a. vida apagada – a crise vem sobre você, para q tua luz brilhe mais – Pv. 4.18
b. vida medíocre – se você nunca passar por uma crise, você nunca viverá acima da mediocridade
c. vida inútil – tua vida será inútil se nunca experimentar, o q você terá para contar de experiência para os outros.
d. vida estéril – a crise vem sobre nós para nos tornamos frutíferos na vida cristã. Não seja um crente estéril. Então levante a cabeça e alegra teu coração, se estás passando por crise, é porque Deus quer ensinar a você a ser vitorioso(a)

5. Fatores que levam uma família a entrar em crise
5.1. Raiva, hostilidade e amargura – Colossenses 3.19; efésios 4.26-31, a palavra amargura no grego significa PIKRIA, indica o gosto amargo que certos alimentos trazem ao nosso paladar.
5.2. Egoísmo – Lc. 6.38; I Jô. 3.17; Fp. 2.3,4
5.3. Auto rejeição
5.4. Depressão – Sl. 55.5-8
5.5. Infidelidade conjugal – Malaquias 2.7,8,9; Colossenses 5.19-21

6. Exemplos de familias que passaram por grandes crises
6.1. A família da viúva que Eliseu aumentou o azeite – II Rs. 4.1-7
6.2. A família de Jó – Jó. 1.13-19
6.2.1.A família de Jó sofreu crise em 5 áreas vitais
• Finanças; - perdeu bens financeiros
• Saúde; - perdeu sua saúde
• Filhos; - seus filhos morreram
• Amizades; - perdeu muitos amigos
• Casamento..- sua esposa estava amargurada, a ponto de dizer: amaldiçoa teu Deus e morre. Mais Jô superou a crise, e o Senhor lhe deu tudo outra vez. Glória a Deus!!!
6.3. A família de Lázaro – João 11.1-45
6.4. A família de Jairo – Lc. 8.40-56
6.5. A família da viúva de Naim – Lc. 7.11-17

7. Lições que podemos tirar das crises que enfrentamos
7.1. Elas nos abrem novos horizontes e perspectivas espirituais – Rm. 8.28
7.2. Elas nos tornam mestres na vida
7.3. Elas nos revelam os verdadeiros amigos
7.4. Elas nos identificam com Jesus
7.5. Elas nos aproximam de Deus – salmos 73.1

8. Como podemos vencer as crises na nossa família
8.1. Orando a Deus
8.2. Recordando as promessas de Deus para nós – I Co. 1.20
8.3. Conservando nosso entusiasmo
8.4. Adorando a Deus – Jó 1.6
8.5. Crendo de todo o nosso coração em Deus – João 11.40
8.6. sendo paciente – Salmos 32.2;37.7-9;Pv. 15.18;Ec. 7.8,9; Rm.5.3,4;Ap. 1.9; II Co. 6.4-6.
8.7. Prometendo a Deus celebrar sua vitória
8.8. Nunca desistindo de lutar.

Conclusão: Amado(a), saiba que em todo tempo de nossa peregrinação aqui, teremos sempre q nos depararmos com grandes crises, mais nem tudo está perdido, pois Jesus garante nossa vitória. Você hoje diz estou passando por uma grande crise, mais amanhã dirá: a crise está passando por mim, pois o choro pode durar uma noite, mais a alegria vem pela manhã. Deus abençoe você e sua família em nome de Jesus.Amém!!!
A Deus seja Glória!!!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Missões



Jesus incumbiu seus discípulos a "ir fazer discípulos de todas as nações" (Mateus 28:19), e durante os dois milênios seguintes ou mais, alguns cristãos tem se esforçado para realizar isso. Apesar de cristão poder e dever praticar evangelismo pessoal individualmente, existe um nome específico para a pratica organizada de mandar pessoas em projetos evangelísticos em lugares espiritualmente necessitados em outros países ou em seu próprio país. Nós chamamos de missões.

PRIMEIROS ESFORÇOS
Os primeiros apóstolos se esforçaram bastante para cumprir a ordem de Jesus. De acordo com a tradição, eles levaram o evangelho para a África, índia e também para a Europa. Lá pelo final do século três, igrejas foram estabelecidas em lugares distantes como a Inglaterra, a Espanha e no sul da Rússia. No entanto, os cristãos logo foram encontrados lutando contra heresia e as vezes uns contra os outros ao invés de declarar a fé em outras terras. Havia exceções, no entanto. São Patrick levou o evangelho para a Irlanda, Bonifácio levou o evangelho para as tribos alemãs em Hesse e Saxônia e Willibrord evangelizou a Holanda e a Dinamarca.

A REFORMA

Os reformadores protestantes estavam mais preocupados em fazer com que a Palavra de Deus ficasse clara para as pessoas de seus próprios países do que levar a Palavra para outros países distantes. Mas, 150 anos depois de Martin Lutéro, o movimento Pietista alemão desencadeou um a reação contra a ortodoxia morta da igreja. A primeira investida protestante ascendeu uma chama, mandando missionários para a índia e para a Groenlândia. Nicholas von Zinzerdorf, um nobre austríaco, mandou Moravian Brethren para o serviço missionário nas Antilhas, América do Sul e América do Norte. Na América do Norte espanhola, o Padre Kino, um padre jesuíta, começou o seu trabalho no sul do Arizona em 1686 e no século seguinte, o padre Junipero Serra implantou uma corrente de missões na costa pacífica (que hoje em dia é a Califórnia). Na costa leste, um ministro puritano inglês, John Eliot, evangelizou os índios Pequot e os agrupou em "cidades que oram". Ele traduziu a bíblia inteira para a língua alonquin e a publicou em 1663. A primeira sociedade missionária a ser enviada no continente foi a Society for the Propagation of the Gospel in New England em 1649. O SÉCULO XIX Em 1792 na Inglaterra, Carey um homem que amava mapas e línguas estrangeiras, publicou o seu livro "Enquiry into the Obligation of Christians to use Means for the Conversion of the Heathen," e pregou um sermão para os seus companheiros , os ministros batistas, sobre o texto que esta em Isaías 54:2,3 ("Amplia o lugar da tua tenda"), tomou como sua visão o depoimento "Espere grandes coisas de Deus. Faça grandes coisas para Deus", e ajudou a criar a Sociedade Missionária Batista.
No ano seguinte, ele e sua família se mudaram para a índia aonde ele trabalhou como tradutor da bíblia, lingüístico, educador e agricultor até a sua morte em 1834.

O SÉCULO XX E OS DIAS DE HOJE

Enquanto o século XIX foi um tempo de grandes pioneiros de missões e implantadores de igrejas, o século XX foi um tempo mais voltado para uma avaliação e para educação. Alguns dos primeiros missionários pareciam muitos ligados ao colonialismo e aos costumes do oeste. Alguns estavam preocupados somente com o evangelismo e não com a plenitude da vida. Como resultado disso, uma nova atenção foi dada ao desenvolvimento de igrejas nacionais tendo missionários como suporte. Durante o século XX o número de missionários estrangeiros protestantes cresceu e chegou a ter mais de 100,000. Uma nova tecnologia possibilita missões de alcançarem o que antes era inalcançável com rádio e televisão como também através de bíblias traduzidas e revistas. Algumas organizações missionárias foram organizadas para assistir outras organizações missionárias.
A igreja católica romana tem sido revitalizada em muitos países pelo movimento carismático. Quando a cortina de ferro caiu, os cristãos do oeste começaram a assistir a igreja nacional aonde eram antes países comunistas.
Igrejas independentes que não estão alinhadas com as organizações das missões do oeste têm multiplicado na África e o número de crentes está crescendo. Hoje a maior igreja cristã no mundo está localizada em Seoul, na Korea. Em lugares aonde missionários profissionais não podem ir, os que não são profissionais estão ganhando entrada e estão espalhando a Palavra de Deus enquanto trabalham em outra profissão.
Há problemas, no entanto. Em muitos países aonde a palavra de Deus tem sido espalhada, há uma grande necessidade de bíblias, recursos, treinamento e educação teológica. Em nações como o Sudão, a Nigéria, a Indonésia e as Filipinas, os cristãos estão encarando uma perseguição severa. O número de martirs cristãos nesses países tem aumentado dramaticamente. Deste modo, o desafio da incumbência de Jesus continua.

Arqueologia e a Bíblia



VISÃO GERAL

Arqueologia é a ciência que recupera e estuda o que os homens deixaram para trás. O que alguns podem considerar lixo imprestável, os arqueólogos bíblicos consideram pistas valiosas para a história bíblica.
Algumas pistas encontram-se enterradas em diferentes níveis em montes, outras sobrevivem como ruínas ou monumentos resistentes ao tempo. Muitas das descobertas são descritas em línguas antigas. Outros "achados" são remanescentes da vida quotidiana: cerâmica, madeira, miudezas, brinquedos, enfeites, fragmentos ocasionais de tecido e armas enferrujadas. Cada um desses itens é parte de uma estória - a estória das pessoas que um dia as usaram ou fizeram. Essas descobertas freqüentemente transformam teorias sobre o modo de vida das pessoas em fatos. Algumas vezes, essas descobertas transformam "fatos" há muito tempo aceitos em ficção. Apesar de tudo, elas formam a base do estudo da arqueologia.

DESCOBERTAS


Muitas descobertas arqueológicas excepcionais aconteceram de maneira totalmente acidental. Em Ras Shamra, na Síria, um arado de lavrador golpeou uma tumba que levou à descoberta do antigo lugarejo de Ugarit. Um beduíno, em busca de uma cabra perdida descobriu uma caverna em Qumran que continha pergaminhos do Mar Morto. Em 1887, uma egípcia encontrou as lápides de Amarna enquanto procurava tijolos em decomposição para usar como fertilizante. Em 1945, coletando excremento de pássaros nas cavernas próximas a Nag Hammadi, egípcios descobriram importantes manuscritos sobre uma seita religiosa popular chamada Gnosticismo. Esses achados ocasionais, entretanto, não são a norma.
Na moderna arqueologia , cientistas identificam potenciais sítios, que são cuidadosamente pesquisados, fotografados do espaço aéreo e testados com relação a metais e outras anomalias subterrâneas. Há necessidade de complexo equipamento eletrônico. Os artefatos recuperados são datados de acordo com o nível em que foram achados no sítio. Outros métodos de identificação da data são também usados, incluindo o radiocarbono. O objetivo é apresentar uma figura apurada cronologicamente desses artefatos e também do próprio sítio.O arqueólogo e o estudante do Oriente Próximo olham para esse testemunho de vida ancestral imaginando que estão lidando com dados reais e objetivos. Embora obviamente isso seja campo para alguma especulação ou diferença de opinião, os objetos são silenciosos, mas testemunhos reais em relação a pessoas e eventos do passado. As relíquias, entretanto, precisam ser entendidas propriamente como evidências e não serem manipuladas para satisfazer alguma interpretação especulativa de história, cultura ou religião. A arqueologia do Oriente Próximo pode nos ajudar a entender as Escrituras possibilitando dados objetivos do passado.
Se, por exemplo, um artefato contendo pinturas ou outras formas de escrita está datado de 3.000 AC aproximadamente, isto por si só nos diz que a comunicação escrita naquela região se remonta àquele período. Agora sabemos que os primeiros escritores do material do Velho Testamento poderiam facilmente compor e escrever todas as narrativas que lhes foram creditadas. Antes dessas descobertas alguns acreditavam que Moisés não poderia ter escrito o Pentateuco porque a escrita não havia sido inventada nos seus dias. De fato, descobertas arqueológicas mostraram que Moisés poderia ter escrito em hieróglifos egípcios, escrita cuneiforme (da Babilônia) e diversas línguas cananitas (dentre elas o hebraico) .
Às vezes é difícil conciliar algumas interpretações aceitas de dados arqueológicos e a evidência das Escrituras. Alguns conflitos, entretanto, tendem a diminuir visivelmente à proporção que novas informações se aproximam. A princípio o arqueólogo não tem interesse particular em "provar a verdade" das Escrituras e obviamente é impossível para uma pá ou uma colher provarem ou não as revelações e afirmações espirituais das Escrituras. Mas é razoável dizer que a arqueologia valida a história hebraica e explica muitos termos e tradições anteriormente obscuros, tanto do Velho como do Novo Testamento. Isso propicia um autêntico pano de fundo para as profecias culminando em Jesus.
A Palavra de Deus é verdade, independente da descoberta do homem. Entretanto, parece que a arqueologia é frequentemente um meio através do qual Deus nos permite abrir a cortina para ver a verdade com nossos próprios olhos.

O Apóstolo João.

O apóstolo João era conhecido como "o discípulo amado de Jesus". Foi o autor do quarto Evangelho no Novo Testamento. Também escreveu três epístolas (cartas a outros cristãos) e o livro do Apocalipse.O apóstolo João gozava de alta reputação entre os cristãos e sua influência tem sido sentida através dos séculos. Embora muitos cristãos o respeitem, não sabemos muito de sua vida. Quando a Bíblia fala de João, ele está sempre acompanhado de Pedro ou Tiago. E mesmo quando a Bíblia menciona João e Pedro, é quase sempre Pedro que está falando. Por isso é difícil termos um quadro completo de como foi a vida de João. Entretanto, juntando-se diferentes histórias do Novo Testamento, podemos ter uma idéia melhor sobre a vida do "discípulo que Jesus amava".

JOÃO NOS EVANGELHOS SINÓTICOS

Os Evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) nos dão a maioria das informações biográficas que temos sobre João. O nome do pai de João era Zebedeu e João tinha um irmão chamado Tiago (Mateus 4:21). O Evangelho de Mateus nos conta que Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e José, e "a mãe dos filhos de Zebedeu" estavam presentes na morte de Cristo (27:56). O Evangelho de Marcos também cita três mulheres: Maria Madalena, Maria mãe de Tiago, e Salomé (Marcos 15:40). Quando comparamos estas duas passagens na Bíblia, podemos deduzir que Salomé pode ter sido o nome da mãe de João. Além disso, o Evangelho de João nos relata que Salomé era irmã da mãe de Jesus (João 19:25). Assim João seria primo de Jesus. Não podemos ter certeza disso, porque certamente havia muitas outras mulheres aos pés da cruz durante a crucificação (Mateus 27:55). Muitas pessoas aceitam que Jesus e João eram primos, mas não há certeza absoluta sobre isso.João fazia parte do grupo de discípulos que Jesus convocou às margens do Mar da Galiléia (Mateus 4:21-22 e Marcos 1:19-20). Foi um dos primeiros discípulos chamados. É possível que fosse o companheiro anônimo de André quando aquele apóstolo seguiu a Jesus (João 1:35-37).

OS DISCíPULOS MAIS PRÓXIMOS DE JESUS

Jesus escolheu três discípulos - Pedro, Tiago e João - para estarem especialmente perto dele durante o seu ministério na terra. Por causa de sua posição especial, estiveram com Jesus durante as grandes ocasiões. João, Tiago e Pedro estavam presentes com Jesus na Transfiguração (Mateus 17:1-2, Marcos 9:2 e Lucas 9:28-29). Jesus também levou justamente esses três para a casa de Jairo quando ressuscitou a filha daquele homem (Marcos 5:37, Lucas 8:51). Antes de Jesus ser preso, estava orando com Pedro, Tiago e João no Jardim do Getsêmane (Mateus 26:37, Marcos 14:33). Embora Jesus tivesse ficado zangado com eles por estarem dormindo em vez de orarem, não devemos esquecer o fato de que em seu tempo de grande aflição, quando se preparava para morrer na cruz, Jesus quis que esses três discípulos estivessem perto dele.Há outras ocasiões em que João é mencionado nos Evangelhos. Lucas nos conta que João, que era pescador, ficou muito surpreso quando milagrosamente Jesus fez com que os discípulos apanhassem uma enorme quantidade de peixe (Lucas 5:9-10). Quando o ministério de Jesus estava quase encerrado, a Bíblia nos relata como João, Pedro, Tiago e André perguntaram a Jesus quando chegaria o fim do mundo e qual seria o sinal para esse acontecimento (Marcos 13:3-4). Também durante a última noite em que estiveram juntos, Jesus mandou que Pedro e João preparassem a ceia da Páscoa (Lucas 22:8).

domingo, 2 de agosto de 2009

Aparência



COMO PODEMOS EVITAR JULGAR SOMENTE PELA APARÊNCIA?


LEITURA BíBLICA: 1 Samuel 16:1-13VERSíCULO CHAVE: Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não vê como vê o homem. O homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração. (1 Samuel 16:7)

LEMBRE-SE QUE DEUS OLHA ALÉM DA APARÊNCIA.


Saul era alto e bonito; sua aparência impressionava. Samuel estava procurando por alguém com a aparência de Saul para se tornar o próximo rei de Israel, mas Deus o avisou para não julgar somente pela aparência. Quando as pessoas julgam pela aparência exterior, as pessoas que não tem essas qualidades físicas que a sociedade admira podem passar desapercebidas. No entanto, a aparência não revela o que as pessoas são na realidade ou mesmo o seu verdadeiro valor.Felizmente, Deus julga pela fé e pelo caráter, não pela aparência. E porque somente Deus pode ver o nosso interior, só ele pode nos julgar com precisão. A maioria das pessoas passa horas toda semana mantendo a sua aparência exterior; elas deveriam fazer ainda mais para desenvolver o seu caráter interior. Apesar de muitas pessoas verem o seu rosto, somente você e Deus sabem a aparência real do seu coração. Qual é a parte mais bonita em você?


LEITURA BíBLICA: Mateus 9:9-12KEY BIBLE VERSE: Jesus, porém, ouvindo isso, disse: Não necessitam de médico os são, mas, sim, os doentes.(Mateus 9:12)

TENTE VER O MUNDO DO PONTO DE VISTA DE DEUS.


Os fariseus tentavam enganar Jesus constantemente, e eles achavam que a sua ligação com as pessoas imorais era a oportunidade perfeita. Eles estavam mais preocupados com sua própria aparência de santidade do que com ajudar as pessoas, com a crítica do que com o encorajamento, com um exterior respeitável do que com uma ajuda prática. No entanto, Deus se preocupa com todas as pessoas, incluindo os pecadores e as pessoas que estão machucadas. A vida cristã não é um concurso de popularidade! Ao seguir o exemplo de Jesus, devemos compartilhar o evangelho com os pobres, os imorais, os solitários, não somente com os ricos, os morais, os populares e os poderosos.

LEITURA BíBLICA: Mateus 15:1-20VERSíCULO CHAVE: Este povo honra-me com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim. (Mateus 15:8)

TENETE VER A Sí PRÓPRIO PELO PONTO DE VISTA DE DEUS.


Nós fazemos de tudo para nos manter atraentes, mas o que está em nossos corações é muito mais importante. A maneira que somos lá no fundo ( onde os outros não podem enxergar) é muito importante para Deus. Como que você é lá dentro? Quando as pessoas se tornam cristãs, Deus as faz diferente no seu interior. Ele continuará o processo de mudança interior se elas pedirem isso à ele. Deus quer que tenhamos motivações e pensamentos saudáveis, não só comida saudável e exercício.


CUIDADO COM AS APARÊNCIAS.


Satanás e os que o servem podem nos enganar sendo atraentes, bons e morais. Não seja confundido por aparências externas. A nossa impressão não é um indicador preciso de quem é e de quem não é um seguidor fiel de Cristo; ajuda fazer estas perguntas: (1) Os seus ensinamentos confirmam a Escritura (Atos 17:11)? (2) Os professores afirmam que Jesus Cristo é Deus que veio ao mundo como homem para salvar as pessoas de seus pecados (1 João 4:1-3)? (3) O seu estilo de vida está de acordo com a moral bíblica (Mateus 12:33-37)?

sábado, 1 de agosto de 2009

Justificação


VISÃO GERAL


Justificação é a maneira pela qual Deus traz os pecadores para um novo relacionamento com Ele. Esta aliança com Deus se torna possível através do perdão dos pecados.Desde a Reforma Protestante, quando Martinho Lutero declarou que a justificação vinha somente pela fé (não pelas obras), essa idéia assumiu uma importância especial na história da teologia. A igreja católica medieval enfatizava o papel do comportamento do cristão na obtenção da salvação. Lutero, dando uma nova ênfase às cartas de Paulo, afirmou que todos são pecadores, mas que somente pela fé na obra expiatória de Cristo na cruz temos a salvação. Segundo ele, uma vez que colocamos nossa fé em Cristo, estamos “justificados” diante de Deus, que não nos vê mais como pecadores, embora continuemos a pecar. Para Lutero, o cristão é ao mesmo tempo pecador e santo.No grego, “justificação” e “justificar” são também termos jurídicos, isto é, referem-se à corte da lei e ao ato de absolver ou acusar alguém por crime. Tem a ver com inocência ou virtude de uma pessoa. Porém, mais amplamente, se refere a qualquer relacionamento.

O CONCEITO DO VELHO TESTAMENTO


No Velho Testamento, justiça se refere a relacionamento e às obrigações desse relacionamento. Em alguns lugares, uma pessoa é considerada justa porque mantém um “justo relacionamento” com outra. Outras vezes alguém é justo porque faz certas coisas que são devidas para o outro com quem se relaciona (Gênesis 38:26). Porém, mais importante, esses termos são usados para descrever Deus, que é justo. Ele reina com justiça (18:25) e seus julgamentos são verdadeiros e justos (Salmo 19:9). Tanto o inocente quanto o culpado conhecem a justiça de Deus. Os inocentes sabem que serão absolvidos e os culpados que serão punidos porque a lei de Deus prevalece.No Velho Testamento, a justiça de Deus é descrita de tal forma que dá maior ênfase à Sua intervenção em favor do seu povo aliado. Por exemplo, Abraão é considerado “justo” porque responde com fé à aliança oferecida por Deus (Gênesis 15:6). Abraão não podia se autojustificar, mas pela aliança feita Deus o declarou “justo”. Para Deus ninguém se justifica por si próprio (Salmo 143:2). A esperança da humanidade é que Deus se lembrará de sua aliança. A justiça vem do favor ou graça de Deus, que lida com seu povo de acordo com sua bondade amorosa (Isaías 63:7).

NO NOVO TESTAMENTO


Quase toda a discussão sobre justificação no Novo Testamento se encontra nas cartas de Paulo, principalmente Romanos e Gálatas, onde ele procura explicar o que a obra de Cristo significa para a humanidade pecadora. Ele afirma que somos justificados pela fé, não por observar perfeitamente a lei – de fato, Paulo olha essa última idéia como uma mensagem anticristã que requer a maior condenação (Gálatas 1:6-9). A palavra e obra de Cristo deveriam nos lembrar que justificação é um dom de Deus através do sangue de Jesus Cristo (Hebreus 13:20). A lei não é capaz de levar uma pessoa à justiça, nem foi feita para isso. Justificação está separada da lei (Romanos 3:21). Gálatas 3:15-25 nos explica claramente a função da lei, que veio 430 anos depois da aliança de Deus com Abraão. Independente de qual tenha sido o seu propósito, ela não foi dada para nos fazer justos. “Porque se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade seria procedente de lei” (Gálatas 3:21).A obra expiatória de Cristo para a justificação das pessoas tem a ver com aliança, não com lei. “Justiça” é, portanto, uma palavra relacional – nós nos tornamos justos pela fé e somos trazidos para um justo relacionamento com Deus. A lei traz julgamento, ela nos confronta com nossa incapacidade de suportar o pecado (Atos 13:39, Romanos 8:3). Através da justificação o crente está livre da condenação (Romanos 8:1). Paulo menciona Abraão em Romanos e Gálatas para mostrar que a aliança tem sido sempre a única esperança da humanidade. Deus mantém sua aliança, embora seu povo a viole todos os dias.Nos escritos de Paulo, Deus é justo e o único que justifica. O pecado demanda julgamento e está relacionado com ele. O plano de Deus para trazer pessoas para o seu relacionamento é o ministério e morte de Cristo, que foi dado como propiciação para expiar pelos nossos pecados (Romanos 3:21-26). O pecado tem a ver diretamente com a morte Daquele que não tem pecado, que Se tornou pecado por nós de modo a nos permitir compartilhar da justiça de Deus (II Coríntios 5:21).Para Paulo, então, a justificação vem somente pela graça de Deus. Tornou-se acessível pela obra de Cristo, presente de Deus. Assim, podemos confessar que Cristo morreu “por nós” (Romanos 5:8; I Tessalonicenses 5:10), ou “pelos nossos pecados” (I Coríntios 15:3). Recebemos essa graça somente através da fé (Romanos 3:22; 5:1). O entendimento básico da pessoa justificada é que seu relacionamento com o Deus vivo nada tem a ver com boas obras. É tão somente um presente do amor infinito de Deus.A justificação vem pela fé. Mas o livro de Tiago nos lembra que a fé sem obras é morta (Tiago 2:17). O Novo Testamento sempre afirma que os verdadeiros seguidores de Cristo são conhecidos pelos seus “frutos”, isto é, o resultado de sua fé. Esta é a razão pela qual católicos, ortodoxos e alguns grupos protestantes consideram a justificação uma idéia perigosa: alguns crentes tendem a acreditar tão fortemente na sua justificação pela fé que se esquecem de seguir os mandamentos de Jesus. Assim, devemos estar alertas para não enfatizar tanto a idéia da justificação pela fé de tal modo que falhemos em atender o chamado de Deus para renovação dos nossos corações. Uma pessoa justificada deve mudar seu comportamento para com os outros e com Deus. Justificação deve sempre ser seguida de santificação.Nos Evangelhos, a idéia de justificação aparece na parábola do fariseu e do cobrador de impostos que foi ao templo orar. O fariseu chamava atenção para os seus atos piedosos e sua superioridade moral. O cobrador de impostos, humilhado por um profundo senso de seu próprio pecado e indignidade, somente chorava por perdão. Este homem, de acordo com Jesus, voltou para sua casa justificado (Lucas 18:14). Esta parábola deveria lembrar-nos da oposição de Jesus às pessoas que superestimam sua piedade, que pensam de si mesmas como “as melhores” dentre as pecadoras. (7:36-50). Somente o que se humilhar diante de Deus será exaltado (Mateus 18:4; 23:12). Somente o pecador ouve a palavra de graça (Lucas 5:32; 15:7, 10; 19:7). Os que se julgam indignos encontram cura (Mateus 8:8).É importante lembrar que a justificação vem pela fé, porque o homem tende a se apoiar no seu próprio comportamento para se salvar. Mas o cristão deve lembrar que o justo vive pela fé (Romanos 1:17; Hebreus 10:38; 11:7).

Paulo o Apóstolo


Depois de Jesus, Paulo deve ser a pessoa mais influente na história da fé cristã. A conversão de um inimigo zeloso dos cristãos para um advogado incansável do evangelho, se classifica entre uma das histórias mais dramáticas das escrituras. Seus anos de ministério o levaram a inúmeras cidades na Ásia Menor e na Europa. Ele também escreveu treze cartas que estão incluídas no Novo Testamento.

EDUCAÇÃO

Apesar de ter nascido em Tarso, Paulo testifica que cresceu em Jerusalém e que estudou sob a tutela de Gamaliel (Atos 22:3). Não é muito claro quando que Paulo chegou a Jerusalém, mas é provável que ele tenha começado os seus estudos rabínicos entre seus 13 e 20 anos.

SAUL O PERSEGUIDOR

Pouco tempo depois dos eventos que mudaram o mundo, a ressurreição de Jesus e o pentecostes, os membros de certas sinagogas em Jerusalém, inclusive uma sinagoga da Cilícia (Atos 6:9), da terra nativa de Paulo, resolveram anular a nova igreja. Eles lutaram contra a sabedoria e o espírito (6:10) de Estevão (6:5,8). Eles o acusaram de blasfêmia diante do sinédrio (6:11-15) e, depois de sua defesa eloqüente (7:1-53), arrastaram-no para fora da cidade, aonde ele foi apedrejado até a morte. Ele se tornou o primeiro mártir cristão. O registro não revela inteiramente qual era o papel de Paulo nesses procedimentos, mas sabemos que ele era um participante ativo. As testemunhas contra Estevão, que eram encarregados de jogar as pedras na execução, "puseram as suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo" (Atos 7:58, NIV). A morte de Estevão iniciou os eventos que resultariam na conversão e na empreitada de Paulo como o apóstolo dos gentios. Mas, naquele tempo, Paulo era um líder dos opressores da igreja. Ele respirava ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor (Atos 9:1); ele perseguiu a igreja de Deus e tentou destruí-la (Gálatas 1:13) prendendo mulheres e homens cristãos (Atos 22:4) em muitas cidades.

A CONVERSÃO E O CHAMADO

Paulo recebeu cartas do sumo sacerdote em Jerusalém, endereçadas às sinagogas em Damasco, autorizando-o a prender os crentes de lá e trazê-los a Jerusalém para julgamento (Atos 9:1-2). Quando ele estava perto de Damasco, uma luz vinda do céu "a qual excedia o esplendor do sol" apareceu em volta de Paulo e os que estavam viajando com ele, e eles caíram no chão (26:13-14). Somente Paulo, no entanto, podia ouvir a voz de Jesus, que lhe dizia que ele seria o instrumento escolhido por Cristo para trazer as boas novas aos gentios (26:14-18). Paulo foi guiado até Damasco, temporariamente cego (9:8). Lá, o discípulo Ananias e a comunidade cristã o ajudaram através do evento inquietador de sua conversão (9:10-22). Depois de um curto período com a igreja de lá, Paulo começou a proclamar a Cristo ressurreto publicamente, e os judeus ameaçaram Paulo de morte (9:20-22). Ele foi protegido pelos que criam e escapou de seus perseguidores (9:23-25). A conversão de Paulo foi de uma importância tão revolucionária e duradoura que há três relatos detalhados desse evento no livro de Atos (Atos 9:1-19; 22:1-21; 26:1-23). Paulo se refere a ela muitas vezes nas suas próprias cartas (1 Coríntios 9:1; 15:8; Gálatas 1:15-16; Efésios 3:3; Filipenses 3:12). A transformação deste perseguidor zeloso de Jesus Cristo em o defensor chefe do evangelho (1 Coríntios 3:10; 1 Timóteo 1:13) mudaria profundamente o curso da história mundial.


OS ANOS FINAIS E O MARTíRIOS

e assumirmos que Paulo é o autor das cartas pastorais (1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito), podemos traçar o provável curso dos eventos dos últimos anos de Paulo. Romanos 15:28 mostra que a intenção de Paulo era entregar as arrecadações e ir em direção a Roma e depois para a Espanha. O fato de ele ter sido preso em Jerusalém não só atrapalhou seus planos mas também o fez perder tempo que ele queria gastar em outro lugar. Nós sabemos que algum tempo depois de 61 D.C., Paulo deixou Tito em Creta (Tito 1:5) e viajou através de Mileto, sul de Éfeso. Viajando em direção a Macedônia, Paulo visitou Timóteo em Éfeso (1 Timóteo 1:3). No caminho, Paulo deixou seu manto e seus livros com Carpo em Trôade (2 Timóteo 1:3). Isso indica que a intenção dele era voltar ali para pegar as suas coisas. De Macedônia, Paulo escreveu sua carta afetuosa porém apreensiva a Timóteo (62-64 D.C). Ele havia decidido passar o inverno em Nicópolis (Tito 3:12), noroeste de Corinto, mas ainda se encontrava na Macedônia quando escreveu esta carta a Tito. Essa carta é parecida com 1 Timóteo, mas com um tom mais rigoroso. Nela há uma última referência ao eloqüente e zeloso Apolo (Tito 3:13), que ainda trabalhava para o evangelho por mais de dez anos depois de ter conhecido Paulo em Éfeso (Atos 18:24).
Neste ponto da história o caminho de Paulo é desconhecido. Ele pode ter passado o inverno em Nicópolis, mas ele não retornou a Trôade como ele havia planejado (2 Timóteo 4:13). Em algum ponto os romanos provavelmente o prenderam novamente, pois ele passou um inverno em Roma na Mamertime Prison, passando frio na cela gelada de pedra enquanto escrevia a sua segunda carta a Timóteo (66-67 D.C). Ele podia estar antecipando isso quando pediu para Timóteo lhe trazer o seu manto (2 Timóteo 4:13,21). Nós só podemos especular quais eram as acusações contra Paulo; alguns sugerem que Paulo e os outros cristãos podiam ter sido acusados (falsamente) de terem incendiado Roma. Era, no entanto, contra a lei pregar a fé cristã. A proteção que havia sido dada aos judeus tinha sido retirada dessa nova religião estranha. Paulo sentiu o peso dessa perseguição. Muitos o abandonaram (2 Timóteo 4:16), inclusive todos os seus colegas na Ásia (1:15) e Demas que amava ao mundo (4:10). Apenas Lucas, o médico e autor do livro de Lucas e Atos, estava com ele quando ele escreveu a sua segunda carta a Timóteo (4:11). Crentes fiéis que estavam escondidos em Roma também manteram contato (1:16; 4:19, 21).
Ele pediu a Timóteo que viesse ao seu encontro em Roma (4:11), e aparentemente Timóteo foi. O pedido de Paulo que Timóteo o trouxesse seus livros e o seu pergaminho indica que ele estava estudando a palavra até o fim.
O apóstolo Paulo teve duas audiências diante dos romanos. Na sua primeira defesa só o Senhor ficou do seu lado (2 Timóteo 4:16). Lá não só ele se defendeu como também defendeu o evangelho, ainda na esperança que os gentios escutassem sua mensagem. Aparentemente não houve um veredicto, e Paulo foi "livre da boca do leão" (4:17). Apesar de Paulo saber que morreria em breve, ele não temeu. Ele foi assegurado que o Senhor o daria a coroa da justiça no último dia (4:8). Finalmente, o apóstolo em si escreveu encorajar todos os que criam "O Senhor seja com o teu espírito. A graça seja com vosco" (2 Timóteo 4:22, RSV). Depois disso, a escritura não menciona mais Paulo.
Nada sabemos sobre a segunda audiência de Paulo, mas provavelmente resultou em sentença de morte. Não temos nenhum relato escrito do fim de Paulo, mas foi provavelmente executado antes da morte de Nero no verão de 68 D.C.. Como um cidadão romano, ele deve ter sido poupado das torturas que os seus companheiros de mártir haviam sofrido recentemente. A tradição diz que ele foi decapitado fora de Roma e enterrado perto dali. A sua morte libertou Paulo "partir e estar com Cristo, o que é muito melhor" (Filipenses 1:23, RSV).

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Tu tens palavras de vida eterna



Jo 6. 64-69 - Mas há alguns de vós que não crêem. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de entregar. E continuou: Por isso vos disse que ninguém pode vir a mim, se pelo Pai lhe não for concedido. Por causa disso muitos dos seus discípulos voltaram para trás e não andaram mais com ele. Perguntou então Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós já temos crido e bem sabemos que tu és o Santo de Deus.

REFLEXÕES - Logo após Jesus ter efetuado o milagre em que alimentara uma multidão de quase dez mil pessoas com cinco pães e dois peixes, muitos dos que se fartaram com o alimento miraculoso procuraram segui-lo, com a intenção de continuarem a receber daquele pão gratuito. Tinham em mente, para obter tal propósito, fazer a Jesus seu rei. Ele, sabendo das suas intenções, ofereceu-lhes outro pão e outra carne. Não o pão de trigo e a carne de peixe, mas Ele próprio, o pão da vida. Disse mais: "Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida eterna". Muitos acharam duro o discurso e já não seguiam a Jesus.
Foi após esses acontecimentos que o Mestre inquiriu seus discípulos sobre a sua disposição de continuarem a segui-lo. Pedro, que protagonizou diversas situações em que mereceu a repreensão do Senhor, desta vez falou pelo grupo expressando o que estava em seus corações: "Para onde iremos nós, tu tens as palavras da vida eterna". Esta afirmação deve resumir nossa posição de cristãos. Ou seja, a nossa motivação para seguir a Jesus não pode ser outra que não as palavras de vida eterna que ele veio nos trazer. Claro que cada um de nós tem problemas e temos plena liberdade e o direito de requerer de Deus a solução dos mesmos quando falham os meios humanos para a sua solução. O Senhor deixou aberto o caminho para que cheguemos, por seu intermédio ao Pai e obtenhamos a solução para nossos males humanos. Esta, entretanto não pode ser nossas motivação maior.
Em dias de tantas necessidades, em que a falência do Estado põe tantas pessoas na vala comum de uma condição subumana de viver, é comum aparecerem aqueles que oferecem o paraíso já aqui na terra em troca do seguimento a um Jesus milagreiro. Talvez você me questione: mas Jesus passou a vida fazendo milagres! É certo, mas ele também afirmou: "Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas." Mateus 6.33. Por mais que alguns tentem colocar na boca do Mestre afirmações que ele não fez, a verdade do Reino de Deus e uma só: ele não é deste mundo. Bem afirmou Pedro: "Tu tens as palavras da vida eterna". É por ai que deve se dar nossa caminhada junto ao Senhor Jesus. Se somos crentes fiéis e dedicados a promessa está sobre nós: as necessidades materiais nos serão supridas.
Deus está buscando verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e verdade. Será que o simples seguimento ao Deus Provedor consiste em verdadeira adoração? Pense bem e, com toda a sinceridade responda a si mesmo. É reduzir a uma condição insignificante o sacrifício de Jesus, pensar que ele deixou seu trono de glória, veio à terra e morreu, apenas para que tenhamos uma boa vida neste mundo.

O Senhor te abençoe e te guarde, o Senhor volte para ti o seu rosto e tenha misericórdia de ti, o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz.

7 Fundamentos para se ter um Casamento feliz e bem Sucedido.



Texto Base: Gn 2:18-24

“Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só: far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea. Havendo pois o senhor Deus formado da terra todos os animais do campo, e todas as aves dos céus, trouxe-os ao homem, para ver como este lhes chamaria; e o nome que o homem deste a todos os seres viventes, esse seria o nome deles. Deu nome o homem a todos os animais domésticos, as aves dos céus, e a todos os animais selváticos; para o homem tadavia não se achava uma auxiliadora que lhe se já idônea. Então o Senhor Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu: Tomou uma das suas costelas, e fechou o lugar com carne. E a costela que o Senhor Deus tomara ao homem transformo-a numa mulher e lhe trouxe. E disse o homem: esta afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne, chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada. Por isso deixa o homem pai e mãe, e se une a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. Ora, um e outro o homem e a mulher estavam nus e não se envergonhavam.”
Afirmação: O casamento é uma instituição que foi Criada e elaborada por Deus.

7 fundamentos para se ter um casamento feliz e bem sucedido:

Co-igualdade: A mulher foi feita de uma costela tirada ao lado de Adão; não de sua cabeça para governar sobre ele, nem de seu pé para ser pisada por ele; mas de seu lado, para ser igual a ele, debaixo de seu braço para ser protegida, e perto de seu coração para ser amada.

Fidelidade – O Mundo não acredita mais na fidelidade. Todavia, um casamento alicerçado neste princípio tem muito mais possibilidades de subsistir diante das pressões do dia a dia. A fidelidade é uma atitude “sine Qua non”pra que se tenha um casamento feliz e bem sucedido.

Verdade – A verdade deve sempre prevalecer independente do conflito em questão. Aonde existe verdade existe confiança, e aonde existe confiança não existe possibilidade de incoerências e “achismos”.
“A Verdade é sempre forte, não importa quão fraca pareça, e a falsidade é sempre fraca, não importa o quão forte pareça.”( Phillips Brooks)

Amor: - I Co 13- 4-7. “ O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes , não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Aliança – O que faz o casamento uma instituição duradoura, não são os bens que possuímos, as boas relações que desenvolvemos, ou o amor que temos um pelo outro. O que sustenta o matrimônio é a aliança que fazemos um com outro diante de Deus, familiares e amigos.

Compreensão e determinação: Existem 02 fatores que comumente agem de forma implacável e persistente sobre o casamento nos dias de hoje:
A incompreensão entre os cônjuges. Duas pessoas que se amam tem que desenvolver a habilidade de compreender uma à outra. Isto é, desenvolver uma atitude compreensiva e madura para com as fraquezas de seu cônjuge, não intencionando mudá-lo(a) com críticas ou insinuações maldosas. O casamento é um ajustamento Contínuo.
Falta de determinação de se permanecer casado. O casamento se mantém não pelo amor somente, mais sobretudo pela aliança feita pelo casal diante Deus.
Ter Jesus como âncora e socorro. Com certeza os conflitos virão, e ainda que nós desenvolvamos todos os princípios citados, sem Jesus, estamos fadados ao fracasso.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Afinal, quem é esse homem?



Você já notou o número de definições e conceitos diferentes a respeito da pessoa de Jesus Cristo?
Muitas ideologias, filosofias e religiões criam definições das mais bizarras.
Se fôssemos listar todas as opiniões a respeito sobre Jesus, teríamos de escrever um livro.
No entanto, na Bíblia nós encontramos uma versão a respeito de Jesus completamente diferente das filosofias. Comecemos com as declarações de Jesus a respeito dele próprio.


Ele disse que era o Cristo (Messias, Prometido), e o Filho de Deus (Marcos 14:61,62; Lucas 22:70). Eis aqui uma lista dos apelidos que Jesus atribuiu a si mesmo. Ele disse:
Eu sou o pão da vida que desceu do céu (João 6:35,41,48,51);Eu sou a luz do mundo (João 8:12);Eu sou lá de cima (João 8:23);EU SOU antes que Abraão existisse (João 8:58);Eu sou a porta pela qual as ovelhas entram no descanso (João 10:7,9);Eu sou o bom pastor das ovelhas (João 10:11,14);Eu sou a ressurreição e a vida (João 11:25);Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim (João 14:6);Eu sou a videira verdadeira, meu Pai é o agricultor, e vocês são os ramos (João 15:1,5);Eu sou o Alfa e o Ômega, (Apocalipse 1:8a; 21:6; 22:13);Eu sou o princípio e o fim (Apocalipse 21:6; 22:13);Eu sou aquele que é, que era e que á de vir (Apocalipse 1:8b);Eu sou o Todo-Poderoso (Apocalipse 1:8c);Eu sou o primeiro e o último (Apocalipse 1:17; 22:13);Eu sou aquele que sonda mentes e corações (Apocalipse 2:23);Eu sou a Raiz da Geração de Davi (Apocalipse 22:16);Eu sou a brilhante Estrela da Manhã (Apocalipse 22:16)Eu sou como quem serve (Lucas 22:27).

Além disso, Ele também disse o que veio fazer no mundo:
Eu vim trazer espada à terra, e não paz (Mateus 10:34);Eu vim causar divisão entre as pessoas da mesma família (Mateus 10:35-39);Eu vim pregar o evangelho da salvação aos perdidos (Marcos 1:38);Eu vim para servir e dar a vida em resgate por muitos (Lucas 10:28);Eu vim lançar fogo sobre a terra (Lucas 12:49);Eu vim em nome do meu Pai (João 5:43);Eu vim de Deus (João 8:42);Eu vim a este mundo para juízo (João 9:39a)Eu vim para que os que não vêem vejam, e os que vêem se tornem cegos (João 9:39b);Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância (João 10:10);Eu vim como luz para o mundo (João 12:46).

Qualquer indivíduo que pensasse isso a respeito de si mesmo seria um maluco! Mas Jesus de Nazaré não era. Por incrível que pareça, Ele não foi preso por estar incitando o povo com uma suposta "mania de grandeza". Ele não foi assassinado por pregar a revolução armada e a queda do governo da época. Os motivos dos seus assassinos foram a inveja, porque não puderam refutar nenhuma das afirmações de Jesus. Mas na verdade Ele mesmo se entregou para ser sacrificado. E isto aconteceu porque Ele disse a verdade. Ele era quem dizia ser: o próprio Deus em carne e osso. Ele veio ao mundo para morrer, levando sobre si os nossos pecados. Sendo assim, Ele é quem a Bíblia afirma que é: o Santo e Justo (Atos 3:14), o bendito e único Soberano, Rei dos reis, Senhor dos senhores (1 Timóteo 6:15). É Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz (Isaías 9:6); é o meu Pastor (Salmo 23); o Rei da Glória (Salmo 24); o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo (João 1:29). Enfim, Jesus Cristo é Deus (João 1:1), e seria impossível escrever todos os nomes maravilhosos que nos ensinam quem é o nosso Senhor Jesus, o Cristo, o Filho de Deus.
Diante disto tudo, só nos restam duas alternativas. A primeira é rejeitar todas estas evidências. Você pode até fazer isso, dizer que nada disso é verdade, e que você prefere o seu sistema, o seu estilo de vida, ou qualquer outra coisa. Neste caso, você está assumindo um risco incalculável. É a sua vida eterna que está em jogo! Sim, porque se você estiver certo, você não perde nada aceitando Jesus como seu Salvador. Mas se você estiver errado, e rejeitar a mensagem de Cristo, você perde tudo - a sua vida, a felicidade eterna e a realização na vida presente. Você perde o céu, a glória de Deus, a comunhão eterna com Deus e com toda a Sua criação, e a reconciliação com a vida.
Portanto, a outra alternativa é infinitamente melhor. Aceite Jesus Cristo como seu Salvador e como Senhor da sua vida. A partir daí, passe a viver em conformidade com a vontade de Jesus, que como Deus, quer apenas o melhor para Seus filhos.

A Divindade de Jesus Cristo




No espiritismo, Ele era um reformador da Judéia, com a missão de ensinar aos homens uma elevada moral, a moral evangélico-cristã; foi a segunda revelação de Deus (a primeira teria sido Moisés, e a terceira, o espiritismo); foi um médium de primeira grandeza, um espírito iluminado.


Para os testemunhas-de-Jeová, Ele é um ser criado por Jeová, poderoso, mas não Todo-Poderoso.


No budismo, Jesus foi um grande Mestre.


No islamismo, Jesus teria sido um mensageiro de Deus, porém menor que Maomé.


Na Nova Era, Jesus não é Deus porque todos somos deuses; a Era de Peixes, de Jesus, está se expirando, e um novo avatar surgirá para conduzir a humanidade à Era de Aquários, que colocará o mundo em ordem e estabelecerá a paz.


Negar a divindade de Jesus é uma das características das seitas, mas “as portas do inferno não prevalecerão” contra a Igreja de Cristo. Para nós, cristãos, Jesus Cristo é Deus. A prova disso não é apenas a nossa fé. Contamos com a Bíblia Sagrada, livro escrito por cerca de 40 escritores, divinamente inspirados.
Contamos também com o testemunho de apóstolos que caminharam com Jesus, ouviram suas palavras e viram seus milagres, a exemplo de Pedro que declarou enfático: “TU ÉS O CRISTO, O FILHO DO DEUS VIVO” (Mateus 16.16). Temos as palavras do próprio Jesus que afirmou: “EU E O PAI SOMOS UM” (João 10.30). Temos o testemunho do profeta Isaías que, 700 anos antes de o Verbo habitar entre nós, chamou-O de “Deus Forte” e “Pai da Eternidade” (Isaías 9.6).
Contamos, também, com o testemunho de milhões de vidas transformadas pelo poder que há no Seu nome. Tratar-se-ia de apenas um espírito evoluído, um homem com poderes mediúnicos como desejam os kardecistas? Se Jesus é apenas um espírito iluminado, por que não “baixa” nas sessões espíritas? Se Jesus foi igual a Buda e Maomé, onde estão seus ossos? Em lugar nenhum iremos encontrá-los porque Jesus ressuscitou, e vive e reina para sempre. Aleluia! Vejamos o que dizem as Escrituras sobre a divindade de Jesus.

Cristo, O Criador
“Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez... estava no mundo, e o mundo foi feito por ele e o mundo não o conheceu (João 1.3, 10)). “Pois nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades, tudo foi criado por ele e para ele” (Colossenses 1.16). “...a nós falou-nos [Deus] nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez o mundo (Hebreus 1.2).

Cristo, O Deus
“A virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamarão pelo nome de Emanuel, que quer dizer: Deus conosco” (Mateus 1.23). “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus... e o Verbo se fez carne e habitou entre nós (João 1.1,14). Atenção: “O Verbo era Deus”, e não “o Verbo era um deus”, como desejam os testemunhas-de-Jeová. “Eu e o Pai somos um” (João 10.30); “Quem me vê, vê o Pai” (João 14.9). “O Pai está em mim, e eu nele” (João 10.38).
“Disse-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu” (João 20.28); “Deles são os patriarcas, e deles descende Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém”. (Romanos 9.5). “Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade (Colossenses 2.9). “Porque um filho nos nasceu...o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6). “Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1 João 5.20). Outras referências: João 1.15,18,30; Colossenses 1.15; 2 Coríntios; 4.4; 5.19.
Cristo, O Eterno
“Eu sou o Alfa e o Omega, o primeiro e o último, o princípio e o fim” (Apocalipse 22.13). “Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão nascesse, eu sou” (João 8.58). “Eu e o Pai somos um” (João 10.30,38). “Há tanto tempo estou convosco e não me conheces, Filipe? Quem me vê, vê o Pai... crede-me quando digo que estou no Pai e o Pai está em mim” (João 14.9-11,20; 17.21). “Vim do Pai e entrei no mundo; agora deixo o mundo e volto para o Pai” (João 16.28) Outras ref.: João 1.18; 6.57; 8.19.

Cristo, O Todo-Poderoso
“É-me dado todo o poder no céu e na terra” (Mateus 28.18). “Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso” (Apocalipse 1.8). Outras referências: Efésios 1.20-23; João 21.17.

Cristo, O Salvador
“Mas quando apareceu a benignidade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens, não por obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante a lavagem da regeneração e da renovação pelo Espírito Santo, que ele derramou ricamente sobre nós, por meio de Jesus Cristo nosso Salvador”(Tito 3.4-6).
“E em nenhum outro há salvação, porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4.12). Vejam a ênfase: “Em nenhum outro nome”. Não sobra para Buda, para Allan Kardec, para Maomé, para Confúcio, para Lao-Tsé, para Osíris, Vishnu, Brama, Shiva, Zoroastro, Maytreia. O nome de Jesus está acima de todos e de tudo. Outras referências: João 3.16; Lucas 4.18; Isaías 61.1.
Jesus não foi um simples fundador de uma religião. Os afamados fundadores de seitas que surgiram na história da humanidade estão todos mortos e devidamente enterrados; seus corpos foram comidos pelos vermes, e seus ossos, se ainda restam, estão em algum lugar.
Com Jesus não aconteceu a mesma coisa. A terra não pôde detê-lo; a morte não teve domínio sobre Ele. Jesus ressuscitou do sepulcro e sobre isto há o testemunho das Escrituras; há o registro de testemunhas oculares que com Ele estiveram durante sua vida terrena e após a sua ressurreição, e viram-no ascender aos céus (Mateus 28.1-10; 16-18; Marcos 16.1-14; Lucas 24.1-53; João 20.1-18).

Os Títulos de Jesus
De forma direta ou indireta, pelo nome ou pelos títulos, o nosso Salvador permeia toda a Bíblia, onde é apresentado, por exemplo, como Messias, Redentor, Libertador, Perdoador de pecados, Juiz, Rei dos reis e Senhor dos senhores. Vejamos alguns dos títulos de Jesus distribuídos por vários livros:
Gênesis: Semente da mulher. Jó: Redentor. Salmos: Pedra angular. Cantares: Rosa de Saron. Isaías: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, Emanuel, Glória do Senhor, Legislador, Poderoso de Jacó, Renovo, Santo de Israel. Jeremias: Justiça nossa. Daniel: Ungido ou Messias. Miquéias: Juiz de Israel. Ageu: Desejado das nações. Zacarias: Rei. Malaquias: Mensageiro da aliança, Sol da Justiça. Mateus: Filho amado, Filho de Davi, Filho de Deus, Filho do Homem, Guia, Rei dos judeus. Marcos: Filho do Deus Bendito, Santo de Deus. Lucas: Consolação de Israel, Filho do Altíssimo, Poderoso Salvador, Profeta, Salvador, Sol nascente. João: A Porta, a Ressurreição e a Vida, Bom Pastor, Cordeiro de Deus, Criador, Deus Unigênito, Eu Sou, Luz do Mundo, Luz Verdadeira, Verbo, Verdade, Vida, Videira verdadeira. Atos: Justo, Santo, Senhor de todos. Romanos: Deus bendito, Libertador. 1 Coríntios: Adão, Nossa Páscoa, Rocha, Senhor da glória. 2 Coríntios: Imagem de Deus. Efésios: Cabeça da Igreja. 1 Timóteo: Bem-venturado Único Soberano, Mediador, Rei dos reis, Rei dos séculos, Senhor dos Senhores. Tito: Salvador. Hebreus: Apóstolo da nossa confissão, Herdeiro de todas as coisas, Autor e Consumador da fé, Grande Sumo Sacerdote. 1 Pedro: Pastor e Bispo das almas, Príncipe dos pastores. 1 João: Advogado. Apocalipse: Alfa e Ômega, Cordeiro, Leão da Tribo de Judá, O Primeiro e o Último, Primogênito, Rei dos santos, Resplandecente estrela a manhã, Todo-poderoso.

Negar a divindade de Jesus é negar a existência do Deus trino, ou seja, do Deus único, eternamente subsistente em três Pessoas: a Primeira Pessoa, Deus Pai; a Segunda Pessoa, Deus Filho; e a Terceira Pessoa, Deus Espírito Santo. A unidade divina é uma unidade composta dessas três pessoas, coexistentes, porém distintas. Examinemos a Palavra:
“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR” (Deuteronômio 6.4). Este versículo é muito usado pelos que não aceitam a Trindade. Sustentam que não existem três Deuses, mas apenas um. Ora, a idéia do Deus trino, da unidade composta, está subjacente em outras passagens, como veremos a seguir.
“Então disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem...” (Gênesis 1.26). O uso da primeira pessoa do plural – FAÇAMOS – indica que Deus não estava só na obra da Criação: o Filho e o Espírito estavam presentes. Vejam também Gênesis 3.22; 11.7; Isaías 6.8.
“Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28.19).
“A graça do Senhor Jesu Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós” (2 Coríntios 13.13). Conhecida como a “bênção apostólica”, este versículo revela o Deus trino.
No batismo de Jesus no Jordão, conforme Mateus 3.16-17, temos o Espírito de Deus “descendo sobre Jesus”; a voz do Pai dizendo “Este é o meu Filho amado”; e o Verbo, o Deus Filho ali encarnado e habitando entre nós.
O livro de Judas fala da Trindade: ”Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo, conservai a vós mesmos na caridade de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna” (Judas 20.021).
O apóstolo Pedro deixou o seu testemunho sobre as Pessoas da Trindade: “Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo” (1 Pedro 1.2).
Na seguinte passagem Jesus mais uma vez revela sua divindade e reafirma a existência da trindade em Deus: “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lucas 24.49). A promessa diz respeito ao batismo no Espírito Santo, plenamente cumprida em Atos 2.1-4. Vejam que a promessa é do Pai, mas quem envia é o Senhor Jesus; envia do alto, do céu. Jesus confirma o que já houvera dito: “Eu e o Pai somos um”. Outra referência: Atos 2.32-33.
A verdade é que “Deus estava em Cristo”, como afirmou o apóstolo Paulo (2 Coríntios 5.19). Finalmente, fiquemos com estas palavras gloriosas: “O Filho é o resplendor da sua glória e a expressa imagem da sua pessoa [do próprio Deus], sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder. Havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade nas alturas” (Hebreus 1.3).

Que Deus vos abençõe!!!