Expulsai os vendilhões !!!

Texto base: Marcos 11: 15 a 17
  Jesus tratou com muito respeito e amor prostitutas, ladrões e pecadores porém quando se deparou com comerciantes dentro do templo Ele os tratou com certa violência e ira, demonstrando o zelo e o amor pela obra e templo, quando o purificou.           
 O profeta Isaias disse que a casa de Deus será chamada Casa de Oração para todos os povos, um lugar de santificação, de louvor, de adorar e sentir a presença de Deus, lugar de honra ao Criador.
Certo dia, porém, Jesus indo ao templo encontrou ali no lugar de adoração e louvor um verdadeiro comércio. Vendedores, compradores, cambistas, negociata sem fim, veja o que diz em (Mateus 21: 12 a 16). “E entrou Jesus no templo de Deus, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. E disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração. Mas vós a tendes convertido em covil de ladrões. E foram ter com ele ao templo, cegos, coxos, e Jesus os curou. Vendo, então, os principais dos sacerdotes e os escribas as maravilhas que fazia e os meninos clamando no templo: Hosana ao Filho de Davi, indignaram-se e disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?”

 Jesus encontrou no templo muita falta de reverência, de amor, encontrou ali muitos aproveitadores de oportunidades para negociar e transtornar a fé dos simples. Ali deveriam se reunir as tribos de Israel em adoração e cultuar o seu Deus com singeleza de coração.

            Hoje não é diferente. As igrejas (templos) devem ser para reuniões de adoração, louvor e para se ouvir a gloriosa e bendita Palavra do Senhor, num culto santo de honras e glórias unicamente a Deus e não para outros fins. Se Jesus viesse hoje em pessoa física, teria muito trabalho para expulsar os que comercializam até a sua Palavra, o Seu louvor, em vez de hinos temos as “músicas”, aberrações em lugar de louvor, um verdadeiro comércio não de pombas, mas colocam barracas de salgadinhos, vários tipos de comestíveis, de roupas, perfumes, cosméticos, etc. Jesus sempre dedicou à simplicidade e fidelidade a Palavra de Deus, nunca se misturou com os religiosos da época. Quando na ocasião, Jesus expulsou os vendilhões, chegaram-se a Ele, cegos, coxos e a esses, Jesus deu atenção curando-os e ainda mais, as crianças presentes no templo começaram a clamar: - Hosanas ao Filho de Davi, o que irritou os religiosos que perguntaram a Jesus: “Ouves o que estes dizem?” Jesus disse-lhes: “Sim,  nunca lestes, pela boca dos meninos e das criancinhas de peito sai o perfeito louvor”.

            Jesus veio verdadeiramente para os pequenos e necessitados e não para os gananciosos e aproveitadores da fé dos incautos e dos simples. A sua missão foi oferecer-se a si mesmo para nossa salvação. Ele quer salvar o pecador de seus maus caminhos e para isso deu-nos o exemplo de humildade quando disse: “Aprendei de mim que sou manso humilde de coração”.

            Vá ao templo com o coração nas coisas de Deus, vá adorá-lo, louvá-lo e não dê atenção aos cambistas e vendedores. Adore a Deus com singeleza de coração, procure ler a Bíblia e ouvir a genuína Palavra de Deus. Jesus breve voltará! Os sinais nos mostram que estamos no fim dos tempos.

Ao chegar ao Templo e se deparar com a quantidade de vendedores que ali comercializavam mercadorias Jesus toma um chicote e expulsa os comerciantes daquele local sagrado.  A atitude de Jesus, mais que seu impacto agressivo, demonstra o zelo pela casa do Senhor e também a dor por ver desvirtuada a destinação própria do lugar.
O Templo deixava de ser o local sagrado para se tornar lugar de comércio e – pior – de exploração.  As práticas religiosas perdiam, assim, o caráter místico ou sagrado para se tornarem fonte de jugo e humilhação. Com isso, alimentava-se um comércio espúrio e imoral.  A atitude de Jesus vem, portanto, em resgate do verdadeiro sentido do espaço destinado à oração e ao encontro com Deus. 
A tradição cristã nos fala desse episódio como “a expulsão dos vendilhões do Templo”.  E nos fala com propriedade.  Segundo o dicionário Aurélio, vendilhão significa (em seu sentido figurado) aquele que trafica coisas de ordem moral.  Essa era a prática dos vendedores que viviam do comércio do Templo.  Ainda que apresentassem para comercialização mercadorias que seriam utilizadas nos cultos, o sentido da apresentação dos sacrifícios ao Senhor havia sido totalmente deturpado com o passar dos anos e com a interpretação errônea e maldosa da Lei.  Assim, aquele comércio simbolizava o tráfico moral, a transmutação da idéia amorosa de um povo que se oferece ao Seu Deus e a Ele se apresenta com oblações para a idéia da exploração, onde as pessoas eram incitadas a comprar para que não fossem excluídas de seus pares.
O apóstolo Paulo nos ensina que somos templos do Espírito. Porém, nem sempre nossos corações são terrenos férteis para a mensagem de Deus, mas nele habitam o orgulho, a inveja, a raiva e o rancor, os vendilhões do mal que impedem que sejamos todos de Deus.Possamos deixar que Jesus tome do chicote e expulse de vez esses sentimentos que não deixam o amor florescer.  Possamos não nos transformar em fontes exploradoras dos outros, excluindo-os de nosso convívio por não serem iguais a nós.  Possamos fazer de nossos corações o templo sagrado, o santuário, o local por excelência do encontro verdadeiro com o Deus vivo.
Para reflexão:
Em sua prática inclusiva, Jesus manifestou historicamente a escolha de Deus por aqueles que foram condenados ao esquecimento.  Igualmente, sua prática de solidariedade para com as pessoas com deficiência, em pleno contexto cultural e religioso do ‘puro-impuro’, fez de Jesus um ‘impuro’ por excelência; a cruz foi a culminância de uma vida inteira na contramão da mentalidade da época, mas em benefício da vida dos ‘malditos’ e ‘impuros.
Creia em Cristo e Leia a Bíblia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Isaque e a arte de cavar poços no deserto

Porque Deus permite o Diabo tocar nos seus !

Obede-Edom um homem que soube valorizar a presença de Deus