quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Marcas de um avivamento


  Texto base: Habacuque 3:2,3.
(Habacuque 3:2) - Ouvi, Senhor, a tua palavra, e temi; aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos faze-a conhecida; na tua ira lembra-te da misericórdia.
(Habacuque 3:3) - Deus veio de Temã, e do monte de Parã o Santo (Selá). A sua glória cobriu os céus, e a terra encheu-se do seu louvor.

Introdução:

Você está satisfeito com a situação econômica que o mundo está enfrentando?
Você está satisfeito com a administração financeira de nosso país?
Está satisfeito com a desigualdade na distribuição de renda?
Você está satisfeito com o comprometimento da igreja com Deus?
Você está satisfeito com o nível de relacionamento entre os seus familiares?
Está conformado com o seu nível de espiritualidade?

Acredito que não, e o profeta Habacuque também não estava e, por isso, ele orou a Deus pedindo uma solução para esta crise – um grande avivamento.

O que é avivamento? Quais são as suas marcas?

1.   O CONTEXTO

O profeta Habacuque está vivendo um período de grande crise militar em Judá (iminente invasão da Babilônia),e também de ordem social, econômica e religiosa. (corrupção econômica e legislativa – Hc 1:3,4 – injustiça, imoralidade, violência, crimes, idolatria – Hc 2: 6 a 20)

Ele está inconformado com a situação de Judá (Hc.2: 6 a 20), bem como também com a aparente indiferença de Deus (1:2). Ele é o profeta dos “porquês” (1:3,13)

Habacuque aprendeu que Deus não estava apático às crises e que a solução para este triste quadro nacional, político, social, familiar e religioso era um grande avivamento (Hc. 3:2)

2.   DEFINIÇÃO DE AVIVAMENTO

Não é programa agendado pela Igreja, é obra soberana e livre do Espírito Santo.
Não é mudança doutrinária.
Não é mudança litúrgica.
Não é apenas eclosão de dons espirituais e manifestação de sinais e prodígios.
Não é modismo (as modas passam).
Não é espiritualidade isolada.
Não é, simplesmente, uma campanha de evangelização.

AVIVAR é dar vida a algo que já está morto ou está passando por um processo de mortificação; é ter Deus mais perto e estar mais perto de Deus (intimidade).

AVIVAMENTO é a intervenção da vida de Deus na história fúnebre do homem.

3.   O AVIVAMENTO É MARCADO POR UMA VOLTA PROFUNDA E CONSISTENTE A DEUS

“Ouvi a tua palavra e temi...” (Hc 3:2)

No avivamento, Deus cria no homem, desejo intenso por ouvir a Palavra.

(Salmos 42:1) - ASSIM como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!

(Apocalipse 3:22) - Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Não é apenas ouvir, mas sim “dar ouvidos”, praticar a Palavra.

(Mateus 7:24) - Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;
(Mateus 7:26) - E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia;

(Romanos 10:17) - De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.

(Habacuque 2:4) - Eis que a sua alma está orgulhosa, não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá.

4.   O AVIVAMENTO É MARCADO PELA AÇÃO E INTERVENÇÃO DE DEUS NA HISTÓRIA

“Aviva, oh Senhor...” (Hc 3:2).

O avivamento é ação soberana de Deus, não pode ser fabricado pelo homem. Exemplo: Elias e os profetas de Baal (I Reis 18: 22 a 46)

* Só Deus pode dar via (Gn 2:7 / Sl 104:29,30 / João 11: 41 a 44)

* Ele age e muda a história (Lc 7:11 a 17)

5.   O AVIVAMENTO É MARCADO PELA RESPOSTA DE DEUS AO CORAÇÃO SEDENTO

* “Aviva, oh Senhor, a tua obra...”(Hc. 3:2) – O avivamento de Deus é para a coroa da sua criação: o homem e a mulher feitos à sua imagem e semelhança.
 * O profeta estava clamando por avivamento com um coração sedento (Jer. 33:3 / Sl 51:17 / Isaías 44:3/ II Cro 7:14)
 * Deus prometeu dar o Espírito Santo àquele que clamasse (Lc 11:13)

6.    VI – O AVIVAMENTO É MARCADO PELA MANIFESTAÇÃO INTENSA DA GRAÇA E DA PRESENÇA DE DEUS

* “...na tua ira lembra-te da misericórdia. Deus veio de Tema...a sua glória cobriu os céus...” (Hc 3:2,3)
 * No avivamento somos confrontados com a santidade de Deus e a nossa natureza pecaminosa. Neste momento, Deus manifesta sua infinita graça sobre nós. (Isaías 6: 1 a 7 / João 8: 6 a 11 / II Cor. 12: 7 a 10)
 * Deus se manifesta tão intensamente que somos revestidos de sua glória (Mt 17:1,2)

CONCLUSÃO

Habacuque aprendeu que Deus não está inerte face às crises da vida. Deus está presente e quer intervir na nossa história, causando transformação em todas as áreas da nossa vida. O avivamento é nossa necessidade mais profunda e definitiva, como também é o desejo mais ardente do coração de Deus para os tempos atuais. Nós oraremos por um grande avivamento e Deus nos responderá com uma manifestação gloriosa e poderosa da Sua presença, transformando nações, países, igrejas, famílias e a você mesmo.

sábado, 18 de dezembro de 2010

No dia 17/12/2010, o Evangelista Marcelo Melo, esteve pregando na igreja Assembléia de Deus em São Vicente, dirigida pelo grande amigo Pb. José Carlos.

                                                                                       

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

AS DEZ VIRGENS

Mateus 25:1-13


“ENTÃO o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. 2 E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas. 3 As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. 4 Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. 5 E, tardando o esposo, tosquenejaram todas, e adormeceram. 6 Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro. 7 Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. 8 E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. 9 Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós.
10 E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. 11 E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. 12 E ele, respondendo, disse: Em verdade os digo que vos não conheço. 13 Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.”
Mateus neste texto nos relata a Parábola das 10 virgens. As virgens representam todos os crentes. O que significa que, na igreja, há dois tipos de crentes: O Prudente e o néscio; o vencedor e o derrotado.

E o que diferencia o Prudente e Vencedor, nesta parábola? É que, além da lâmpada, ele tem azeite sobrando. O néscio e derrotado, não é cheio do Espírito Santo. Outro aspecto que precisa ficar claro é que a ênfase da parábola à luz da hermenêutica, não é a salvação do indivíduo do inferno, mas o Reino do Senhor Jesus Cristo. Tanto esta parábola como a dos talentos (também o capítulo de Mateus 25) falam acerca do Reino de Deus. Atente bem para o que diz Mateus no primeiro verso: “ENTÃO o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo.” Isto posto, a partir de agora vamos explicar o significado de alguns termos desta parábola:

• As Noivas - representam os crentes;

• O Noivo - representa o Senhor Jesus Cristo.

• As Virgens - o termo não deve ser visto literalmente. Todos os crentes são vistos como Virgens diante de Deus – separados para o deleite de Deus;

• O número 10 - significa a completude da responsabilidade humana. Por isso nós, os homens, temos 10 dedos nós pés e nas mãos. Por isso os mandamentos que Deus deu a Moisés são 10. Isso significa que essas 10 virgens englobam todos os crentes de todas as épocas;

• Lâmpada - O que significa na Bíblia? Provérbios 20:27 diz que o espírito do homem é a lâmpada do Senhor. Essas lâmpadas que estavam com as virgens representam nosso espírito recriado. O nosso espírito é como uma lâmpada que foi acesa diante de Deus.

O texto diz que cinco das virgens eram néscias. Podemos dizer que elas eram crentes, por alguns motivos:

A Bíblia fala que elas eram todas virgens – isto nunca é colocado em dúvida, esta não é a questão principal desta Parábola. A grande questão não é se as virgens eram falsas ou verdadeiras, mas se eram néscias ou prudentes. Se fossem falsas, o Senhor teria dito. Elas tinham luz em suas lâmpadas; isto significa que elas nasceram de novo, tiveram seu espírito recriado na conversão. Por outro lado, se essa lâmpada também significa obras, quer dizer que elas tinham obras, testemunho diante de Deus; se a lâmpada significa a Palavra, quer dizer que elas tinham a Palavra consigo. (Salmo 119:105 “Lâmpada para os meus pés é a Tua palavra e luz para os meus caminhos”).

Todas elas foram encontrar-se com o noivo. Se elas não fossem crentes, elas nunca iriam se encontrar com o noivo, assim como bandido não vai se encontrar com a polícia, lembre-se do que diz o adágio popular: “no lugar que tem polícia o malandro não encosta, lagoa que tem piranha jacaré nada de costas”. O incrédulo não vai atrás de Cristo. É o Senhor Jesus Cristo que toma a iniciativa de amor indo de encontro com o homem perdido sem Deus. No verso 6 “Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro.” se diz que ouviu-se um grito, que é a voz do arcanjo; é a voz da sétima trombeta do Apocalipse. E quando este arcanjo tocar, então todos vão ressuscitar.

E todas elas ouviram a voz do arcanjo, o que significa que elas eram crentes. As ovelhas reconhecem a Voz do Sublime Pastor!

Por fim nos é dito que todas elas tinham óleo nas lâmpadas. O problema é que elas não tinham azeite sobrando. O Azeite nas Sagradas Escrituras simboliza O Espírito Santo.

Outra diferença: se o Senhor não tivesse demorado, as virgens néscias teriam entrado pela porta. O grande teste então foi o tempo. Há muitos crentes que vão bem na sua jornada cristã, mas logo desistem, vão perecendo pelo caminho vão se desviando.

Ainda há outro aspecto que precisamos considerar com muita seriedade diante do Senhor: Quando o noivo chegou, as virgens néscias pediram azeite às prudentes que disseram não, o que isto significa? Significa que cada um de nós deve ter a medida da Unção individualmente. Se as néscias não fossem crentes, as prudentes nunca poderiam ter negado do Espírito para elas. Elas disseram: vão comprar! Ora, se a parábola estivesse falando de salvação, a salvação poderia então ser comprada com obras, por exemplo, ou está à venda?

Não, a Salvação é de Graça (“pela Graça sois salvos mediante a fé, e isto não vem de vós é dom de Deus”). Se as virgens néscias eram descrentes, então as prudentes pecaram, porque não quiseram dar do que tinham às outras. E A Bíblia não as repreende por isso. E no verso 13 o Senhor nos manda vigiar, pois não sabemos o tempo e a hora.

Descrente não vigia, ele anda gozando a vida e seus prazeres regaladamente sem nenhuma preocupação com o seu destino na era vindoura – agora aqueles que vigiam são os crentes.

Agora entendemos que todas 10 virgens são crentes e que há na Igreja os crentes néscios e os crentes prudentes. O Prudente é aquele que edifica a sua vida em segurança, sobre a Rocha – que pratica a Palavra, têm realidade

e conteúdo espiritual. Aquele que está em linha com a Palavra de Deus não pode ser abalado.


E qual foi a insensatez que estas virgens cometeram?

Reino é tomado por esforço, e a Salvação é pela Graça!

Elas tinham apenas a lâmpada acesa – eram salvas da perdição do inferno, mas não tinham azeite sobrando – não eram cheias do Espírito Santo. O azeite sobrando é a qualificação para reinar com o Senhor Jesus. O azeite é algo de que temos que nos encher a cada dia, pois vai se acabando, logo precisa ser cheio e renovado constantemente. Quem é cheio do Espírito quer fazer algo na direção do Espírito Santo, é gente comprometida, é séria e quer ver algo acontecendo, pois elas sabem que o Reino é tomado por esforço, e a Salvação é pela Graça. (Mateus 11:12 - “Desde os dias de João Batista até agora o Reino dos Céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele.”

Porque as virgens prudentes não atenderam ao pedido das virgens néscias e não lhes deram azeite?

É porque há coisas que ministramos e outras que damos. O verso 7 fala que as virgens néscias, quando acordaram, queriam que as prudentes dessem a elas azeite. Mas estas mandaram comprá-lo. Comprar na Bíblia é algo cheio de significado. Na Bíblia há muitas coisas gratuitas – como a salvação -, mas há outras coisas que temos que pagar um preço para tê-las.

Eu posso ministrar o batismo no Espírito Santo, mas não posso encher ninguém do Espírito Santo; cada um é responsável por encher-se e para isto o apóstolo Paulo dá a receita em Efésios 5:18-20 “E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito; 19 Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração; 20 Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo; 21 Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus.”

Como você vê amado leitor, este enchimento do Espírito Santo não é uma mera transferência de poder ou capacitação para obras de Deus, com uma oração impondo as mãos sobre a cabeça do indivíduo, empurrando, derrubando, soprando, lançando o “paletó santo” sobre o indivíduo, com palavras mágicas, tal como temos visto no evangelicalismo moderno; nas ocorrências dos “Encontros Tremendos” onde o indivíduo entra pecador, e em três dias já sai prontinho batizado com Espírito Santo!

Isto é vulgarizar a Palavra de Deus!

Sabemos que há em nosso meio, irmãos que não gostam do termo “pagar o preço”, porque dizem que tudo é de graça. Mas a Bíblia não nos ensina que tudo é de graça.

Ela nos diz que há coisas que têm um preço. Provérbios 23:23 “Compra a verdade, e não a vendas; e também a sabedoria, a instrução e o entendimento.” nos fala de coisas que devemos comprar.

Por exemplo, ser um Mestre na Palavra requer tempo, oração, contemplação, estudo, pesquisa, esforço e disposição. Fala que a operação da vida e da unção tem um preço: entrar na morte. Morte é qualquer coisa que implica na suspensão dos nossos direitos legítimos e vitais. Ora, se temos direito de comer, mas abrimos mão dele para jejuar e ter unção, isso é morte. Se temos direito de dormir, de passear, e abrimos mão deles para orar, isso é morte. E quando pagamos o preço, a Vida de Deus vê.

Em Apocalipse 3:18 “Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.”, na carta à igreja em Laodicéia, o Senhor nos aconselha a comprar ouro, que nos fala da natureza, do caráter santo de Cristo; vestiduras brancas, que nos falam dos atos de justiça dos santos e da Santidade de Deus e colírio, para vermos, para enxergarmos as coisas de Deus, para termos discernimento e percepção espirituais. Há muitos que são naturais e só vêem o que é palpável.

Ter unção e um constante jorrar de vida implica, muitas vezes, em muito choro, lágrimas, jejum, oração e perseverança. Há um preço a ser pago. Todos nós iremos morrer a vida física um dia, ou seremos arrebatados (embora já tenhamos morrido com Jesus Cristo incluídos na sua morte, na cruz do calvário), assim como as virgens simbolicamente morreram quando estavam dormindo. Dormir na Bíblia pode significar duas coisas: Apostatar-se da fé: (Romanos 13:11-14 “E isto digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé. 12 A noite é passada, e o dia é chegado.

Rejeitemos, pois, as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz. 13 Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja. 14 Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.” e I Tessalonicenses 5:4-10 “Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; 5 Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. 6 Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios; 7 Porque os que dormem, dormem de noite, e os que se embebedam, embebedam-se de noite. 8 Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; 9 Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo, 10 Que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos juntamente com ele.”

I Tessalonicenses 4:13 “Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança”. E João 11:11 “Assim falou; e depois

disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono.”.

Neste texto, objeto do nosso estudo, cremos que o significado aqui é morte. Porque todas, tanto as néscias como as prudentes dormiram. Se tratasse de apostasia, teríamos que admitir que as prudentes, também se apostataram da fé. Em segundo lugar, as prudentes dormiram e não foram de forma nenhuma afetadas pelo sono. E, em terceiro lugar, o Senhor não as repreende por haverem dormido. Por tudo isso, podemos ver que o sono, aqui, não é algo negativo. Mesmo porque o centro da parábola é o verso 13, que nos manda vigiar e orar. “Ouviu-se um grito: Eis o noivo, saí ao seu encontro!” .

Quando a Sétima Trombeta tocar, aqueles que morreram em Cristo vão ressuscitar; todos, tanto os vencedores quanto os derrotados, vão ressuscitar. Todas as virgens se levantaram, lembra-se? Isto significa que essa parábola fala da volta do Senhor Jesus.

O Verso 10 nos diz que, enquanto elas foram comprar azeite, o noivo chegou e as virgens que estavam apercebidas, que tinham azeite sobrando em suas lâmpadas, entraram para as bodas e as portas foram fechadas. Fechar a porta não significa que a pessoa perdeu a salvação; significa, sim, que o tempo para qualificação, enchendo-se do Espírito Santo, é hoje.

É agora e não depois que o Senhor Jesus voltar. Em II Coríntios 5:10 “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.” nos é dito que todos os crentes comparecerão perante o Tribunal de Cristo. Este julgamento não é para salvação ou perdição eterna, mas para recebermos ou não o galardão de Reinar com Cristo no Reino Milenar.


Qual a diferença entre as Virgens Néscias das Virgens Prudentes?

A grande diferença entre as virgens néscias e as virgens prudentes, além da quantidade de Azeite que elas possuem em suas lâmpadas é a seguinte: Enquanto as virgens néscias vão dormir em berço esplêndido; As Virgens Prudentes estão alertas, vigilantes, como o Coração velando no Noivo, Cantares 5:2 “Eu dormia, mas o meu coração velava; e eis a voz do meu amado que está batendo: abre-me, minha irmã, meu amor, pomba minha, imaculada minha, porque a minha cabeça está cheia de orvalho, os meus cabelos das gotas da noite.” Por isto, registramos aqui um alerta do apóstolo Paulo na Carta aos Efésios, 5:14-17 “Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e

Cristo te esclarecerá. 15 Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, 16 Remindo o tempo; porquanto os dias são maus. 17 Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor.”

Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: “Senhor, Senhor abre-nos a porta!” Mas Ele respondeu: “Na verdade vos digo que não vos conheço”. O conhecer deste contexto é diferente de um simples conhecer; é algo mais intenso, mais profundo, mais íntimo. A Bíblia usa dois termos gregos para a palavra conhecer: gnosko (conhecimento objetivo, mental, da alma) e oido (conhecimento subjetivo, espiritual, mais intenso). A Bíblia muitas vezes, chama o ato sexual de conhecer. João 1:26,31, diz que João não conhecia a Jesus, mas é claro que ele o conhecia. Eles eram primos.

João sabia quem era Jesus, o filho de Maria, mas não sabia quem era Jesus o Filho de Deus, para o que seria preciso especial revelação.

Quando o Senhor Jesus disse que não conhecia aquelas virgens néscias, será que Ele estava dizendo que não sabia quem eram elas? Claro que não, porque Deus conhece todo mundo.

Ele é Onisciente, conhecedor de todas as coisas. Um clássico exemplo disto está no livro de I Samuel no capítulo 3. Samuel servia ao Senhor perante o Sacerdote Elí, num tempo de grande apostasia e falta de atividade profética, esta era a característica dos dias de Eli.

Vemos neste texto que o jovem Samuel servia o Senhor, porém Samuel não conhecia o Senhor. Ora, se Samuel servia ao Senhor, ele sabia quem era o Senhor. É como muitos crentes, que servem ao Senhor, porém não o conhecem na intimidade, em realidade e em espírito.

O conhecimento do Senhor nos transforma, nos muda e nos conquista. A salvação é uma questão de conhecermos a Deus, é uma Porta dimensional que se nos abre para percorrermos O Caminho, mas o Reino é uma questão de Deus nos conhecer.

Para encerrarmos esta parábola, precisamos ter clareza de que, para sermos vencedores, não termos apenas que a Lâmpada acesa. É preciso ter azeite sobrando na vasilha. As virgens não foram julgadas por algo que fizeram ou deixaram de fazer.
A grande questão não eram as obras, muitos espíritas na sua ignorância fazem muito mais obras do que o povo evangélico, pensando que com isto ganharão a salvação. Apesar das obras serem importantes, são frutos de um coração convertido em fé.

A grande questão era se estavam ou não cheias do Espírito Santo, com Azeite derramando em suas candeias. Eis aí porque nós somos tão radicais quanto à necessidade de estar cheio do Espírito Santo. É que não há como ser vencedor sem ser cheio do Espírito Santo. Sem estar cheio do azeite do Espírito Santo ninguém vai ser arrebatado.

No arrebatamento vai ser apenas para o crente vencedor. Nem todos os crentes vão ser arrebatados. Não basta estar com a vida correta e irrepreensível – até porque há muitos não-crentes que têm uma vida mais correta do que muitos de nós. É preciso ter algo mais – é preciso ter algo que o mundo não tem. Vá até aonde quase ninguém foi, toque o que quase ninguém tocou, seja o que poucos em nosso tempo são.

Que Deus te abençoe!!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Adoração

Texto base: João 4.23- Mas a hora vem e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o pai procura a tais que assim o adorem.

Adoração é algo que o homem deve prestar somente para Deus; Muitos pensam que a adoração está apenas relacionado a música, quando na realidade a adoração se extende além da música e da melodia passa pelos acordes e chega até as ações e reações humanas.
A adoração foi criada no céu, antes da criação do homem e continuará no céu depois do arrebatamento da Igreja . Um dia na eternidade os ministérios daqui da terra deixaram de existir, na realidade perderão a razão de ser, por exemplo o ministério de intercessão, o ministério da ação social e até mesmo o ministério de pregação da palavra perderão a razão de ser tendo em vista que no céu não haverá necessidade de se desenvolver tais ministérios. Mas o ministério de adoração não, esse jamais se findará por que se tem uma coisa que Deus não pode fazer é se auto adorar, para isso ele criou a mim e a você e por isso meu amado nunca deixe de adorar, adore, glorifique e exalte ao nome do Senhor por que ele tem todo o poder.
Adorador não é somente aquele que canta ou toca um instrumento musical ou participa de alguma forma do ministério de louvor, mas adorador também é aquele que adora com as palmas, que adora com o coração e com a alma e com o seu corpo se prosta diante do todo poderoso.
Um verdadeiro adorador sabe quem adora, e adora em qualquer circunstância, não se curva diante das dificuldades. Um verdadeiro adorador toca o coração do Pai.

domingo, 26 de setembro de 2010

'' Aflições na vida''


















Texto base: João 16.33 - Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.

Jesus no evangelho de João nos capitulos 14, 15, 16 e 17, dá as suas ultimas instruções aos discípulos. Jesus aborda muitos ensinamentos preciosos, mas o que me chama mais a atenção é que aqui no capítulo 16 e no versiculo 33 Jesus diz para os discípulos no mundo tereis aflições!

Aflição é sofrimento, angustia, dor, tribulação e trabalho, ou seja, quando Jesus disse aos discipulos que no mundo teriam aflições, Jesus estava dizendo que no mundo teriam sofrimento, angustia, dor, tribulação e muito trabalho. OH meu irmão, quero te convidar agora a tentar entender a necessidade que nós temos de vivenciar todas estas coisas e mais, que nestas aflições Deus trabalha em você e em todas estas coisas nós somos mais que vencedores!
O apóstolo Paulo escreveu em sua segunda carta a Igreja de Corinto, no capítulo 4.17- ''que a nossa leve e momentânea tribulação produz em nós um peso de glória muito excelente, não atentando nós para as coisas que se veêm, mas para as que se não veêm. Porque as que se veêm são temporais, mas as que se não veêm são eternas.'' O apóstolo chama as nossas aflições de ''leve'' e de ''momentânea'' por que a sua visão não está na terra e sim no céu da glória de Deus.
Eu quero te convidar a tentar olhar as suas aflições como Cristo quer que vejamos, como o Apóstolo Paulo as olhou, com os olhos celestiais.
Muitas pessoas reclamam da dor, o que seria de nós se não sentissemos dor? A dor é um mecanismo de defesa do nosso corpo. Outros reclamam da saudade e como seria valorizar quem está perto se não sobessemos o que é saudade.
A mesma coisa acontece com a angústia e a felicidade, eu quero que você entenda que há um tempo de vivenciar a dor e a angústia, mas há um tempo de celebrar a alegria e a vitória sobre as aflições desta vida, e depois da tempestade vem a bonança e que o tempo de cantar chega na sua vida!
A nossa vida é cheia de surpresas e a aflição é uma delas, enquanto estivermos aqui nesta terra será assim, mas um dia Deus enchugará de seus olhos todas a suas lágimas e iremos morar em um lugar aonde a aflição não pode entrar, onde a depresão não que ser sua amiga e nem pode ir, onde não haverá sofrimento e nem tribulação e viveremos para sempre com o Senhor na glória!!! Em Romanos 8.18 Paulo escreveu: Porque em mim tenho por certo de que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.
Até lá fique firme! Não vacile! Persevere! Em nome de Jesus.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Espírito Santo



O Espírito de Deus, é Deus em ação dentro de nós, sobre nós ou em torno de nós. É Deus operando, fazendo coisas acontecerem no mundo. Não podemos ver o Espírito, mas podemos ver os resultados do seu poder. O Espírito de Deus estava presente quando o mundo foi criado. Deus enviou seu Espírito para fazer coisas poderosas entre seu povo, Israel. Mais tarde, Deus enviou seu Espírito quando Jesus viveu na terra e desde então, o Espírito tem estado presente com os cristãos.

O ESPíRITO NO VELHO TESTAMENTO

A Bíblia usa a palavra "espírito" de três maneiras diferentes. É um vento de Deus, o sopro da vida e um espírito que enche uma pessoa com emoção forte e poder.

DESCRIÇÕES

No livro de Gênesis, foi o vento de Deus que fez com que as águas do Dilúvio parassem de subir (Gênesis 8:1). Este mesmo vento de Deus soprou gafanhotos por todo o Egito (Êxodo 10:13) e enviou codornizes para os israelitas comerem (Êxodo 14:21). Deus soprou vento de suas narinas para abrir as águas do Mar Vermelho de tal maneira que os israelitas pudessem atravessar em terra seca. Em Gênesis 2:7, lemos que Deus criou o homem soprando Seu Espírito dentro dele. Os seres humanos só têm vida por causa do sopro da vida , ou espírito que está dentro deles. Através do seu Espírito, Deus é a fonte de toda a vida, tanto animal quanto humana. No Velho Testamento o Espírito de Deus algumas vezes enchia as pessoas, fazendo com que elas dissessem ou fizessem coisas que normalmente não poderiam fazer, de modo a atender os propósitos de Deus. As pessoas cheias do Espírito passavam a ter grande responsabilidade por causa do Espírito que estava dentro delas. Líderes eram reconhecidos por causa do Espírito dentro deles. Em Juízes 3, O Espírito de Deus encheu um homem chamado Otniel. Ele se tornou juiz e foi capaz de vencer uma guerra e manter a paz em Israel durante quarenta anos. O Espírito de Deus também encheu outros juízes tais como Gideão e Jefté. Por causa do Espírito de Deus, eles foram capazes de conquistar seus inimigos. Algumas vezes, como no caso de Saul, Deus mandaria um espírito mau para preencher alguém a fim de que seus planos se cumprissem (I Samuel 16:14-16; Juízes 9:23; I Reis 22:19-23).

O ESPíRITO ATUANDO ENTRE OS PROFETAS

Os profetas no Velho Testamento tinham a tarefa de entregar mensagens do Espírito de Deus para o povo. Era importante para o povo saber a diferença entre um falso profeta e o verdadeiro profeta de Deus. O termo "Espírito Santo" é usado nos Salmos e em Isaías para separar o Espírito de Deus de qualquer outro espírito, tanto de homem quanto de Deus (Salmo 51:11; Isaías 63:10-11). Um falso profeta não tinha o Espírito Santo. Um profeta que tinha uma mensagem do Espírito Santo deveria ter o caráter de uma pessoa obediente a Deus. O povo poderia reconhecer o falso profeta pela avaliação de seu caráter bem como pela mensagem que ele entregava. Os profetas escreveram sobre o Espírito de duas maneiras significativas. O Espírito inspirava profecia que seria conhecida novamente no futuro, quando Jesus estivesse na terra. Os últimos profetas, como Ezequiel, Ageu e Zacarias, proclamaram que o Espírito era o inspirador da profecia. Isto significa que o Espírito lhes deu as palavras que proclamaram e registraram. O Espírito de Deus era responsável por tudo que os escritores da Bíblia registraram.Os profetas também escreveram que Deus mostraria seu poder através do Espírito no futuro. Isaías profetizou que o Espírito viria outra vez para ungir um homem que traria salvação para todas as pessoas (Isaías 11:2; Isaías 42:1; Isaías 61:1). Ele estava falando de Jesus, o Messias. O Messias era o rei que os judeus estavam esperando. Através de Jesus, o Espírito teria liberdade sobre Israel (Ezequiel 39:29; Joel 2:28-29; Zacarias 12:10) como parte de uma nova aliança entre Deus e o homem (Jeremias 31:31-34; Ezequiel 36:26-27). A aliança era uma promessa de Deus de que mandaria seu Espírito para dirigir seu povo. Os israelitas haviam quebrado sua antiga aliança com Deus porque continuaram a desobedecê-lo. Sob a nova aliança, Deus prometeu perdoá-los.Entre o tempo do Velho e do Novo Testamento, acreditava-se que o Espírito não estava mais presente em Israel. Durante aquele tempo a voz do Espírito não era mais ouvida através da voz dos profetas. Mas o Espírito foi conhecido de novo quando o Messias, Jesus Cristo, veio à terra.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Humildade, um estado de espírito.



Provérbios 18.12- Antes da ruína, gaba-se o coração do homem, e diante da honra vai a humildade.

A humildade é muito mal interpretada pelas pessoas hoje em dia. Muitos pensam que a humildade está ligada ao ter ou não ter tais bens, como carro, casa, roupas, dinheiro, e aqueles que não possuem tais bens são pessoas humildes enquanto as que possuem não o são.
Isso é uma inverdade, o fato da pessoa ser ou não humilde não está diretamente ligada a situação financeira, mas sim ligado a um estado de espírito.
Quando Salomão, ao escrever provérbios 18.12 diz que adiante da honra vai a humildade, ele está dizendo em outras palavras que a humildade prescede a honra.
Todos os que servem a Jesus e o seguem precisam ter humildade de espírito, talvez agora você esteja se perguntando:
Então qual é a atitude da humildade?
E qual o poder que a humildade tem?
E eu lhe responderia que a humildade não sabe que ela existe, e no dia em que ela descobrir que existe, ela deixa de ser humildade.
No oposto da humildade encontramos o orgulho. Existem pessoas que são orgulhosas, prepotentes, soberbas, pensam que são a tampa da 'coca-cola', quando não são, e foi isto que Salomão quis dizer quando escreveu que antes da queda, gaba-se o coração do homem.
O orgulho é algo tão maligno que ele tem o poder de transformar anjos em demônios, mas humildade é algo tão glorioso da parte de Deus que tem o poder de transformar homens em santos.
A bíblia nos fala de muitos casos em que homens orgulhosos caíram e um deles foi o grande rei da Babilônia, o rei Nabucodonosor. E a mesma bíblia nos fala de muitos homens humildes que foram exaltados por Deus como o rei Davi.
A humildade é um estado de espírito dos vencedores!
Quer vencer e ser honrado ?
Seja humilde!
Que Deus te abençõe.

domingo, 15 de agosto de 2010

A importância do nome



O nome tem uma raiz, o nome tem uma história, o nome é fruto da vida, o nome não se compra em uma feira de supermercado, um nome não se acha em qualquer lugar, o nome é adquirido pelas atitudes tomadas durante a vida.
Isaque iria ser gerado no ventre de Sara, quando Deus já não dava nome aos que nasceriam, mas mudava o nome daqueles que iria transformar,e a mudança de nome está relacionada com a mudança de carater, está relacionada com o ministério, porque todo Paulo em dia já foi Saulo, como todo Abraão um dia já foi Abrão, como toda Sara um dia foi Saraí, como todo Israel um dia foi Jacó.
Tem gente que tem nome de que vive, mas está morto, tem gente que tem nome de avivado, mas não é avivado, tem gente que tem nome de crente, mas é ímpio; o nome tráz a importância da sua vivência, por isso Deus quando enviou a Jesus disse: Lhe darei um nome que é sobre todo o nome. Parece que vejo João Batista prescedendo a história desse nome, batizando com água para o arrependimento e dizendo: 'eu não sou o Cristo, eu batizo mas não sou, o meu nome só tem poder para batizar nas águas, mas depois de mim virá um que batizará com fogo e no Espírito', o nome sublime estava para aparecer no cenário da história. João Batista está batizando no rio Jordão, e vem um e joão batiza, vem dois e joão batiza, e os homens da época diziam: João tú és grande, João tú és profeta, até que João levanta e diz: 'Já está entre vós o nome que é sobre todo o nome, eu vos batizo com água, mas ele vos batizará com fogo e no Espírito'. Em Atos 4.12- diz não há nenhum nome debaixo do céu maior que o nome de Jesus.
O nome de Jesus é maior do que todos os nomes de profetas, o nome de Jesus é maior do que todos os nomes de sacerdotes, o nome de Jesus é maior do que todos os nomes de Juízes. Os demônios estremessem quando ouvem o nome Jesus, quando o inimigo vier e pensar que já tomou conta de tudo e que já dominou a sua vida, você usa o nome de JESUS !!!
Porque no nome de Jesus satanás perde, a cura chega, o milagre acontece, há batismo no Espírito Santo, é no nome de Jesus que Deus levanta pregador, é no nome de Jesus que Deus levanta levita, e a sua vitória chega, receba a unção deste nome.
Jesus é o lírio dos vales, Jesus é a rosa de Saron, Jesus é a estrela resplandescente da manhã, Jesus é o rebento que brotou do tronco de Jesé, Jesus é a esperança viva de Israel, Jesus é o batizador no Espírito Santo, Jesus é o o nome que sara, Jesus é o nome que salva. Jesus é o caminho a verdade e a vida, não vá nesta conversa que há por aí de que todos os caminhos levam a Deus, só Jesus é o caminho que leva para o céu.
Que nós possamos aprender com esse nome, viver com este nome e ter um nome parecido com este nome. Que Deus te abençõe em Cristo Jesus nosso Senhor.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Paciência uma necessidade para viver



Texto base: Tiago 5.7-11- ''Sede pois irmãos, pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia.
Sede vós tambèm pacientes, fortelecei o vosso coração, porque já a vinda do Senhor está próximo. Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está a porta. Meus Irmãos, tomai por exemplo de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor. Eis que temos como bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó e vistes o fim que o Senhor lhe deu ; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso''.

Vivemos dias corridos, apressados; vivemos nossa vida diária e as vezes, tomamos atitudes sem esperar e pensar o tanto quanto deveríamos e precisamos. Nossa geração é tentada a viver de imediatismo em todas as áreas da vida: na Igreja, no trabalho, na escola, com os amigos, e até mesmo no namoro e no casamento;
Quantas vezes nós estamos atrasados para o trabalho ou para algum compromisso importante e queremos compensar o atraso correndo com o carro e na maioria dos casos, sabemos qual é o final da história, um acidente inesperado. Neste momento de atraso esquecemos que é a nossa vida que está em jogo, e nestes casos é inevitável dizer, que é preciso mais do que saber viver, é preciso saber viver com paciência, saber esperar; quem sabe o atraso não é uma providência de Deus para lhe dar um livramento!

Se o amado irmão que agora lê este artigo prestou atenção no texto base acima referido, pode observar que Tiago ao escrever sua carta enfatizou por demais a palavra paciência. Só nos cinco versículos citados, Tiago usou a palavra paciência por cinco vezes; com isso concluo um precioso ensinamento bíblico de devemos ter paciência, ou seja, saber esperar com confiança.
Precisamos deixar de ser impacientes com tudo e com todos.
Eu mesmo já fui muito impaciente na minha vida, se não fosse Cristo eu não sei o que seria, já vi muitas pessoas se perderem por causa da impaciência, muitos ministérios acabarem, muitas famílias serem findadas e relacionamentos acabados, já ví muita gente morrer por causa da impaciencia. Por isso meu amado não se precipite, tenha paciência, porque a paciência produz a experiencia e a experiencia a esperança de que dias melhores virão, afinal a vida continua.
Foi isso que o apóstolo Paulo ensinou em sua carta aos romanos cap. 5.3-5- '' E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulaçaões, sabendo que a tribulação produz a paciência;
e a paciência a experiencia; e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, por quanto o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado.''
Com isso aprendemos que para viver bem é indispensavel termos paciência!!
Que Deus te abençõe.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Jesus como lider servo



“Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir, e dar a sua vida em resgate de muitos” (Marcos 10.45)

“A verdadeira grandeza e a verdadeira liderança, não se alcançam submetendo-se alguns homens ao serviço de um, mas generosamente dando-se a si mesmo ao serviço deles.” J. Oswald Sanders.

As pessoas preferem seguir aqueles que as ajudam, não aqueles que as intimidam! A Bíblia diz: “a humildade precede a honra” (Pv 15.33) O primeiro princípio da liderança de servo é: Os líderes servidores se humilham e esperam que Deus os exalte. Você não pode aplicar este princípio em sua vida sem antes seguir os ensinos de Jesus.

Deve decidir se dirigirá ou não sua vida de acordo com os padrões de Jesus, ou de acordo com as melhores experiências e idéias que o mundo oferece.

O segundo princípio da liderança de servo é: Os líderes servidores seguem a Jesus e não a posições. O terceiro princípio da liderança de servo é: Os líderes servidores renunciam a seus direitos para encontrar grandeza servindo aos outros. Jesus redefiniu “grandeza” e “ser o primeiro”. Quando você faz de Jesus o amo de sua vida, se converte em servo dos demais. No Reino de Deus, guiar é servir a outros e seguir ao Rei. “Os líderes cristãos devem adotar o estilo de liderança de Jesus, que lavou os pés de seus discípulos. É interessante que o “antigo estilo” está tão atual como qualquer teoria moderna de liderança.” (Leith Anderson) Só quando se confia que Deus tem absoluto controle de sua vida, é que você pode arriscar-se e esquecer-se de si mesmo para servir aos outros. Se não é assim, não há outra possibilidade de proteger seu “ego” e defender seus direitos.

O quarto princípio da liderança de servo é: Os líderes servidores se arriscam a servir aos outros porque confiam em que Deus controla suas vidas. Ainda assim, Jesus redefiniu o que os líderes devem fazer: Os líderes satisfazem as necessidades. Os seguidores de Jesus tinham os pés sujos e ninguém estava disposto a lavá-los. Tinham a necessidade, mas ninguém ia deixar seu posto para satisfazê-la.

O quinto princípio da liderança de servo é: Os líderes servidores imitam a Cristo tomando a toalha de servidão de Jesus para satisfazer as necessidades dos outros.

Nota importante: Satisfazer as necessidades não significa atender aos desejos das pessoas. Jesus se ajoelhou aos pés de Pedro como um servo, mas não permitiu que a preferência de Pedro o impedisse de cumprir sua missão.

Outra nota importante: Jesus lavou os pés de Judas, o discípulo que o trairia com um beijo. O Mestre lavou os pés de Judas mesmo sabendo que ele o entregaria aos líderes religiosos para ser crucificado. A maior prova do líder servidor é lavar os pés dos que ele sabe que vão traí-lo. Se você não está usando uma toalha para servir de joelhos aos pés dos outros, está num lugar equivocado. Os líderes do Reino de Deus se ajoelham, se vestem como servidores e satisfazem as necessidades dos seus seguidores. Delegar é uma das formas que um líder tem para unir o falar com o fazer. É um valioso método para formentar a participação de outros, desenvolver-se e alcançar seu potencial. (Max DePree).

O sexto princípio da liderança do servo é: Os líderes servidores delegam responsabilidades e autoridade para outros para satisfazer necessidades maiores. Kennom Callahan nos recorda que deve haver um equilíbrio entre autoridade delegada e responsabilidade. Assinala que “mais autoridade e menos responsabilidade ajudam a incrementar a liderança; menos autoridade e mais responsabilidade ajudam a desenvolver uma conduta passiva”. Os apóstolos delegaram a autoridade suficiente para que os sete tomassem decisões que satisfizessem os necessitados. Quando os líderes procuram dirigir sozinhos, esgotam seus seguidores e os cansam. Os líderes de muitas igrejas se “queimam” porque pensam que são os únicos que podem fazer o trabalho. Ser dono da responsabilidade de uma tarefa não significa que você tem que fazê-la sozinho. Os líderes servidores sabem que são mais eficientes quando confiam em outros para trabalhar com eles. Os bons líderes preparam outras pessoas capazes para que os ajudem a levar a cabo suas responsabilidades.

Quando Moisés foi aconselhado a escolher outros líderes para ajudá-lo, é porque eles existiam. Existem líderes na Igreja preparados por Deus, prontos para serem escolhidos. Se não são escolhidos, alguns podem criar problemas e outros podem ir para outro lugar, onde serão mais úteis.

O sétimo princípio da liderança do servo é: Os líderes servidores multiplicam sua liderança delegando a outros responsabilidades para dirigir. Jesus multiplicou sua liderança ao dar poder do Espírito Santo a seus discípulos. Ele disse: “Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas[...]” (Atos1.8). Dar poder sempre vem antes da missão. Jesus deu seu Espírito Santo aos discípulos para que tivessem o poder de testemunhar quem era ele e porque o Pai o havia enviado.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Eternamente protegidos.

O cuidado do Senhor é muito especial para com os Seus escolhidos, é um amor tão profundo que jamais será compreendido pela finita mente humana. Mas, em breve, quando estivermos na glória gozando das eternas delícias preparadas com tanto zelo para os fiéis, haveremos de compreender e seremos eternamente agradecidos. É o amor que permanece inabalável, mesmo quando loucamente nos rebelamos contra Ele (“Se somos infiéis, ele permanece fiel.” 2Tm 2:13). E este zelo indescritível do Pai se estende por toda a nossa vida.”Sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo.” (1Pe 1.5) A afirmação é que somos guardados pelo poder de Deus, ou seja, não há nada maior neste mundo. A proteção que gozamos é imensurável, no entanto, está condicionada a nossa fé. Para que possamos gozar dos cuidados de Deus é imprescindível que o nosso coração esteja plenamente ancorado no Pai, cheio da genuína fé que leva-nos a viver em santidade e produzindo os frutos do Espírito. Deus é fiel e cumpre o que nos é prometido (“Que Deus, que nos dá a paz, faça com que vocês sejam completamente dedicados a ele. E que ele conserve o espírito, a alma e o corpo de vocês livres de toda mancha, para o dia em que vier o nosso Senhor Jesus Cristo. Aquele que os chama é fiel e fará isso.” 1Ts 5.23,24; “Todavia, o Senhor é fiel; ele vos confirmará e guardará do Maligno” 2Ts 3:3).
É impossível ao servo viver sem a proteção contínua de Deus, a nossa vida é totalmente dependente dos cuidados celestiais (“Se o SENHOR não proteger a cidade, não adianta nada os guardas ficarem vigiando.” Sl 127.1), nEle devemos esperar e confiar, pois no tempo oportuno o socorro vem (“Deus é o nosso refúgio e a nossa força, socorro que não falta em tempos de aflição.” Sl 46.1). Mesmo que aparentemente demore, não falhará jamais (“Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos atemorizeis diante deles, porque o SENHOR, vosso Deus, é quem vai convosco; não vos deixará, nem vos desamparará.” Dt 31.6). A nossa esperança precisa está depositada no Senhor, que zela por nós!
A proteção do Senhor aos santos, e manifesta em diversos aspectos. Por exemplo:1- Preservando-nos. “O SENHOR guarda a todos os que o amam.” Sl 145.202- Fortalecendo-nos. “Mas o Senhor me assistiu e me revestiu de forças.” 2Tm 4.17 3- Sustentando-nos. “...mas os justos, o SENHOR os sustém.” Sl 37.174- Guardando-nos do mal. “Mas o Senhor Jesus é fiel. Ele lhes dará forças e os livrará do Maligno.” 2Ts 3.35- Impedindo-nos de cair. “Deus pode evitar que vocês caiam e pode apresentá-los sem defeito e cheios de alegria na sua gloriosa presença.” Jd 246- Conduzindo-nos. “Eis que eu envio um Anjo adiante de ti, para que te guarde pelo caminho e te leve ao lugar que tenho preparado.” Ex 23.207- Guardando-nos das tentações. “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” 1Co 10.138- Amparando-nos nas perseguições. “17 De todos sereis odiados por causa do meu nome. Contudo, não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça.” Lc 21.17,189- Nos momentos de calamidades. “Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia, pois em ti procuro segurança! Na sombra das tuas asas eu encontro proteção até que passe o perigo.” Sl 57.110- Nos perigos. “Deus livrará você de perigos escondidos e de doenças mortais.” Sl 91.311- Enquanto dormimos. “Quando me deito, durmo em paz, pois só tu, ó SENHOR, me fazes viver em segurança.” Sl 4.8
Somos o povo separado do Senhor e devemos como tal reconhecer a grande misericórdia de Deus, possuirmos um coração grato e cheio de amor; e a exemplo de Davi, exclamar:
“O SENHOR é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador. O meu Deus é uma rocha em que me escondo. Ele me protege como um escudo; ele é o meu abrigo, e com ele estou seguro.” Sl 18.2
Irmãos queridos, esta mensagem nos apresenta o grande amor protetor de Deus, agora cientes que somos guardados, resta-nos apenas declarar com todo o nosso coração, para que todos ouçam e glorifique ao Rei:
“Mas os que buscam abrigo em ti ficarão contentes e sempre cantarão de alegria porque tu os defendes. Os que te amam encontram a felicidade em ti.” Sl 5.11

domingo, 23 de maio de 2010

Guiados pelo Espírito Santo


A declaração: “Pois todos que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Romanos 8.14) é uma afirmativa precisa, bem clara, que todos nós que fomos justificados diante de Deus pela obra de Cristo Jesus, deveríamos ter convictamente firmada em nós. Inquieta-nos, entretanto, que muitos irmãos não a tenham, de forma bem clara, efetivamente firmada, em seu coração. Muitos ainda têm dúvidas quanto a sua efetiva filiação a Deus. Essa é uma situação que limita a comunhão com o Pai e o viver pela fé.
Também, não é suficiente que uma realidade espiritual como essa não pode saber, intelectualmente, que somos filhos de Deus não é suficiente. É preciso que tenhamos uma absoluta certeza desse fato. No versículo que temos diante de nós, Paulo traz um importante esclarecimento de como podemos saber sobre nossa real filiação a Deus. Numa simples frase ele declara que se somos guiados pelo Espírito Santo somos filhos de Deus.
É importante lembrarmos que em toda a vida terrena do Senhor Jesus, em todo o seu ministério, Ele foi guiado pelo Espírito Santo. Sua própria concepção em um corpo humano foi através da ação do Espírito. O anjo afirmou a Maria: “Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sobra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus” (Lucas 1.35). Cumpria-se a profecia de Isaías: “eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel”(Isaías 7.14).
Os quatro evangelistas são unânimes ao narrarem que em seu batismo o Espírito Santo desceu Jesus e: “Eis que um voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em que me comprazo” (Mateus 3.17). E, logo após, Jesus “foi guiado pelo mesmo Espírito, no deserto” (Lucas 4.1). A seguir o mesmo evangelista descreve: “Então, Jesus, no poder do Espírito, regressou para a Galiléia” (v 14). Na visita à sinagoga de Nazaré, Jesus declara: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para...”(v 18), segue-se a enumeração das obras que lhe foram destinadas fazer.
Certamente, alguém perguntará: “Mas, como eu posso saber que sou guiado pelo Espírito Santo?” Há diversas maneiras através das quais podemos saber como o Espírito nos guia. Queremos apresentar, aqui, apenas uma dessas formas, aquela que está bem ao nosso alcance.
Lembremos o que Jesus disse aos seus discípulos ao dar instruções sobre o Espírito Santo que Ele enviaria após seu retorno junto ao Pai: “quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as cousas que hão de vir” (João 16.13). Essa é uma das grandes declarações de Jesus sobre o Espírito Santo. Ele é o Espírito da verdade. Nessa declaração temos uma das chaves para entendermos como o Espírito nos guia. Ele nos guia em termos da verdade e em conexão com a verdade.
É importante lembrar que estamos cercados por espíritos que não procedem de Deus e querem enganar os filhos de Deus com suas falsidades. João, em sua forma carinhosa de advertir nos diz: “Amados, não deis crédito a qualquer Espírito; antes provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora” (I João 4.1). Entretanto, o Espírito Santo é o Espírito da verdade e somente ele pode nos guiar em termos do que é reto segundo o curso da verdade. Na realidade ele sempre nos guiará pela Palavra de Deus, pois, somente nela está toda a verdade eterna.
O próprio Espírito Santo foi o direto inspirador dos escritores que compuseram os diferentes textos da Bíblia. Ele lhes deu a mensagem e os inspirou na sua redação. Assim, é pela Bíblia que ele nos guia. Andando pela verdade bíblica, estaremos sendo guiados sempre por ele tendo o forte testemunho em nosso espírito de que somos filhos de Deus. Recordemos o que Jesus disse sobre o Espírito Santo: “porque não falará por si mesmo; mas dirá tudo que tiver ouvido e vos anunciará... há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar” (João 16.13,14).
O Espírito Santo sempre age em conexão com a verdade – “Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as cousas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus... Assim, também as cousas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo cousas espirituais com espirituais” (I Coríntios 2.10-13). Essa declaração de Paulo é a descrição bem clara de como o Espírito Santo nos guia na verdade.
Como o Apóstolo faz em sua carta aos Gálatas, peçamos ao Pai que nos “conceda espírito de sabedoria e de revelação do pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos e qual a suprema grandeza do seu poder para com os que cremos, segundo a eficácia da força de seu poder” (Efésios 1.17-20). Isso virá pelo Espírito Santo.
Com nossas mentes iluminadas conheceremos mais e mais de Jesus. Assim, alcançaremos a “sabedoria essa que nenhum dos poderosos deste século conheceu: porque, se a tivessem conhecido,jamais teriam crucificado o Senhor da glória” (I Coríntios 2.8). É o Espírito Santo que nos diz em Tito 2.11-14: “Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões humanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória de nossa grande Deus e Salvador Cristo Jesus, o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de redimir-nos de toda a iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras”. Se a nossa esperança é essa, então sabemos que somos filhos de Deus.
Deixemos o Espírito Santo nos guiar com a Palavra de Deus, pois, ela não nos foi dada para especular ou discutir sobre ela, mas para nos submetermos a ela. Só seguiremos a trilha brilhante da verdade de Deus quando nos rendemos incondicionalmente à verdade que ela revela. Então, entraremos na realidade de tudo aquilo que Deus tem entesourado em Cristo Jesus para nós. “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele” (João 14.21).
Lembremos o que foi dito ao povo de Deus no passado: “Agora, pois, ó Israel, ouve os estatutos e os juízos que eu vos ensino, para os cumprirdes, para que vivais. E entreis, e possuais a terra que o Senhor, Deus de vossos pais, vos dá” (Deuteronômio 4.1). Os verbos aqui usados são: ouvir, cumprir, viver e possuir. Esse é um princípio universal e permanente. Verdadeiro, também, para nós! Deixemo-nos guiar pelo Espírito Santo nessa caminhada de fé ouvindo, cumprindo, vivendo e possuindo a revelação que Deus nos traz em sua Palavra e chegaremos à firme convicção de que somos filhos de Deus.

domingo, 18 de abril de 2010

Grande culto de Missões na I.B.P.V.B do Goiabal no dia 17/04/2010.

O culto de missões teve um tema forte e bem atual que foi '' Escolhidos por Deus para que frutifiquemos '' , e foi atravéz deste tema que Deus sacudiu a estrutura dessa Igreja na noite do dia 17/04/2010.
Também contamos com a presença do cantor Genilson que é filho do Pr. Paulo Rosa, veja as fotos abaixo:

O conferencista Marcelo Melo deu uma saudação e na oportunidade, convocou a Igreja a ter uma consciência missionária, desempenhando assim o seu papel no cenário mundial.
Também fez uma oração em agradecimento a Deus pelas ofertas missionárias, veja as fotos abaixo:









Este é o Evangelista Joel, diretor de missões da Igreja Batista Pentecostal Vale das Bençãos do Goiabal, e também pregador da palavra de Deus. Neste trabalho o evangelista falou sobre a necessidade atual de se fazer missões e das evidências da eminente volta de Jesus:










O Pr. Paulo Rosa foi o pregador da noite, homem que Deus usou com autoridade e ousadia, um grande ministro da palavra de Deus!



sábado, 17 de abril de 2010

Esforço demasiado e rede rompida.




Texto base: Lucas 5. 5,6- E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, sobre a tua palavra, lançarei a rede.
E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.
Os discípulos passaram a noite inteira tentando realizar a pesca, porém se viram frustrados diversas vezes durante a noite, pois não conseguiram pescar nada. A noite foi repleta e tentativas em vão, mas logo quando o dia amanheceu eles já estavam desembarcando na beira do lago de Genesaré com o seu barco vazio e na bagagem apenas a desilusão de ter tentado e não ter conseguido.

Muitas vezes em nossa vida nos encontramos como os discípulos que estavam neste dia, trabalhando muito, ou seja demasiadamente e não alcançamos os nossos objetivos e acabamos nos frustando com alguém ou alguma coisa. Mas neste momento meu caro irmão ou irmã, deixe Jesus ministrar sobre a sua vida, sobre o seu ministério ou trabalho .
Os discípulos estavam a beira do lago lavando as redes quando JESUS olhou para Pedro e disse: volte ao lago e lance a rede. Pedro então diz a Jesus: Mestre havendo trabalhado a noite inteira nada apanhamos, mas sobre a tua palavra lançarei a rede.
Amado é aqui nesta resposta de Pedro a Jesus que fez a diferença no trabalho deles. De nada adianta você se esforçar demais fora da direção de Deus para a sua vida, a única diferença entre a primeira tentativa dos discípulos para a segunda foi a ordem de Jesus, era o mesmo mar, o mesmo barco, e os mesmos pescadores, a única coisa que mudou foi que agora eles estavam debaixo da palavra de Jesus que detém todo o poder!
Agora sobre a palavra de Jesus eles lançam a rede e ela volta repleta de peixes, a tal ponto que encheram os seus barcos; se prepare para começar a ter sucesso nas suas tentativas apartir de hoje, quando estiver sobre a palavra de Deus !!
Porém a bíblia diz que agora a rede que estava sendo usada na pesca se rompeu ,ou seja rasgou, porque não suportou a quantidade de peixes que veio durante a pescaria. Agora pense comigo, Pedro era um profissional da pesca de seu tempo, e como um bom profissional ele deveria ter revisado a sua ferramenta de trabalho antes de sair para trabalhar.
Isso é o que todo profissional faz em qualquer área que ele esteja atuando, o motorista confere a calibragem dos pneus antes de sair com veículo, olha o nível de óleo do motor, o nível de água do radiador, porque ele é um profissional, da mesma forma que uma cozinheira, antes de preparar uma refeição se certifica de que tem os ingredientes necessários para o preparo da refeição, afinal ela é uma profissional.
Pedro certamente não havia revisado a sua rede de pesca antes de sair para pescar, até mesmo porque se tivesse feito isto, certamente teria encontrado a região da rede que estava desgastada e prestes a se romper.
E diante deste fato meu amado irmão eu entendo que em nossas vidas diárias também devemos estar atentos com as nossas ferramentas para obtermos êxito em nossas vidas.
Quer ter êxito na sua vida espiritual, esteja atento a bíblia, a oração, a consagração a Deus; quer ter êxito na sua vida secular, esteja debaixo da palavra de ordem de Deus, porque então tudo o que fizer prosperarás, cuide da sua fé, não deixe ela se romper com assolações deste mundo, porque fiel é aquele que prometeu, e passarão os céus e a terra, mas as palavras de Deus não hão de passar!
Que Deus te abençõe abundantemente!

quinta-feira, 11 de março de 2010

Uma refutação bíblica sobre alguns dogmas católicos a respeito de Maria a mãe de Jesus.



Caro amigo, não é o objetivo desta esplanação criticar, atacar ou ofender a sua fé conforme o ensino que você recebeu. Queremos apenas esclarecer alguns pontos que divergem do que a Bíblia ensina sobre o cultuar, venerar ou adorar personagens bíblicos.O nosso assunto trata da divergência entre cristãos Protestantes e Católicos Romanos no que diz respeito a posição bíblica de Maria no cenário religioso. Para tanto vamos recorrer tanto à Bíblia como a fontes históricas.Queremos esclarecer que pessoalmente não temos nada contra a mãe do nosso Salvador (a Maria bíblica). É claro na Bíblia a importante posição de Maria dentro do Plano de Salvação que Deus providenciou para a humanidade. Ela era uma jovem judia temente a Deus que O adorava como o Único Deus Verdadeiro e por isso foi escolhida para gerar em seu ventre, por ação direta do Espírito Santo, o Messias prometido como o Único capaz de salvar todo aquele que nEle crer. Portanto, não poderíamos ignorar o seu importante papel dentro dos planos de Deus. O que queremos sim, é questionar de forma inteligente e respeitosa, e bíblica o elevado papel que os homens deram a bem aventurada Maria.São estes pontos de divergência que iremos analisar para que o leitor possa tirar as próprias conclusões. Queremos oferecer ao leitor a oportunidade de conhecer o outro lado da moeda que tem sido ocultado propositalmente da grande maioria dos cristãos. Eis abaixo alguns deles:

1) A Imaculada Conceição de Maria.Dogma oficializado pelo Papa Pio IX em 1854. Ele disse que a "santíssima virgem Maria foi preservada de toda mancha do pecado original no primeiro instante da sua concepção". No século VIII, a igreja na Inglaterra começou a celebrar uma festa da concepção de Maria.Tomás de Aquino (1225-1274), teólogo e doutor da Igreja Católica se opôs a introdução desta festa na França. Vemos, portanto, que mesmo entre os grandes homens da fé Católica houve divergência quanto a este assunto. Vejamos agora o que a Bíblia diz a este respeito: Simplesmente nada!!! É apenas uma doutrina dos homens. A Bíblia diz em Romanos 5:12: "Portanto, assim como por um só homem (Adão) entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram." O amigo leitor pode ver que a Bíblia mostra claramente que o pecado entrou no mundo por meio de Adão e Eva e que todos os seus descendentes herdaram a essência do pecado. Esclarecemos que ao dizer que todos pecaram., a Bíblia, em nenhum, lugar isenta os personagens bíblicos do pecado original. A única isenção que ela faz é em relação ao Senhor Jesus Cristo afirmando que Ele jamais pecou. Olhemos para o livro de Hebreus 4:15: "Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi Ele (Jesus) tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado."

2) A Assunção de Maria.Doutrina promulgada pelo Papa Pio XII em 1950 como necessária para a salvação. Ele declarou: "A imaculada mãe de Deus, a sempre virgem Maria, tendo completado o decurso da sua vida terrena, foi assunta, corpo e alma, para a glória celestial". Não existe base bíblica, apostólica ou pós-apostólica para apoiar esta doutrina. Até o século IV os cristãos celebravam uma festa comemorativa à morte de Maria. Somente no fim do século VII incluiu-se a assunção. Nicolau I por decreto, em 863, oficializou a festa da assunção de Maria. Portanto, vemos somente decisões humanas no sentido de colocar Maria num pedestal em que jamais a Bíblia prevê. É de se estranhar que um fato que seria de suma importância para os cristãos (caso fosse verídico) não tenha sido narrado por nenhum dos apóstolos em suas inúmeras cartas. A Bíblia ignora totalmente este assunto.

3) A Perpétua Virgindade de Maria.É verdade que a Bíblia fala claramente sobre a concepção virginal de Jesus. Quando se achou grávida Maria era virgem e jamais havia se relacionado com um homem. A concepção virginal é uma verdade bíblica incontestável! Porém, dizer que ela continuou virgem depois do nascimento de Jesus não condiz com a verdade bíblica. Para não dizer que nossos argumentos são fundamentados na Bíblia dos protestantes apenas, vejamos o que diz a "Bíblia Mensagem de Deus" de uma editora católica (Edições Loyola): "Acordando do sono José fez como lhe tinha ordenado o anjo do Senhor: tomou consigo sua esposa, mas ele não teve relações com ela até quando deu a luz um filho a quem deu o nome de Jesus" (Mateus 1:24,25). Não vamos discutir se ela teve mais filhos ou não. O fato é que a Bíblia diz claramente que José não teve relações com ela até quando deu a luz a seu filho, Jesus. O termo "até quando" indica claramente que depois do nascimento eles tiveram uma vida conjugal normal.

4) Maria Como Intercessora.Existem alguns pensamentos católicos no que diz respeito a Maria como intercessora pelos homens junto ao Senhor Jesus. Frases como: "Peça a Mãe que o Filho atende" ou até mesmo na Ave Maria que diz: "...santa Maria, mãe de Deus rogai por nós os pecadores...". Como estamos analisando o ensino da Bíblia, vejamos o que ela diz: "Porquanto há um só Mediador (intercessor) entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos" (I Timóteo 2:5,6). Ora, se a Palavra de Deus afirma que só existe um INTERCESSOR como podemos aceitar a opinião daqueles que dizem haver necessidade de mais intercessores como a bem aventurada Maria e até mesmo outros santos?Todo cristão autêntico tem livre acesso à presença de Deus. A Bíblia diz, em Hebreus 10:19,20: "Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no Santo dos Santos (na presença de Deus), pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne..." Isto significa que o caminho direto a Deus nos foi aberto por Jesus Cristo quando Ele derramou seu sangue na cruz do Calvário. Devemos então chegar até Deus diretamente em nome do Senhor Jesus. O próprio Jesus nos diz que devemos pedir as coisas a Deus no seu nome e não no de qualquer outra pessoa. Mesmo que esta pessoa seja alguém tão importante como Maria. Vemos isto em João 14:13,14: "E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. Se me pedirdes alguma coisa em meu nome eu o farei."
Um último esclarecimento se faz necessário quanto a pessoa de Maria. Ela mesmo reconheceu-se como alguém que tinha necessidade de um Salvador. No magnificat lemos as palavras proferidas pelos seus próprios lábios: "Então disse Maria: a minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, ..." (Lucas 1:46,47). Analise e veja se temos ou não razão para divergirmos seriamente sobre este assunto de tão relevada importância.

Querido (a) leitor (a), quem está com a verdade? A Bíblia ou os homens? A Palavra de Deus ou a dos homens? Não existem duas verdades sobre o mesmo assunto. Por exemplo: Se uma casa é branca, ela não pode ao mesmo tempo ser preta. Ou é uma coisa ou outra! Com as coisas espirituais é assim também. Ou a Bíblia está certa e os homens errados, ou os homens estão certos e a Bíblia errada. A escolha é sua. Em quem você prefere confiar? Nós confiamos na Palavra infalível de Deus, pois Ele não pode mentir (Tito 1:2).
Pegue a sua Bíblia, confira os textos citados e pesquise as fontes históricas.